Ideias na Mesa - Blog


postado por Rafael Rioja Arantes em Terça-feira, 20 de Dezembro de 2016

As falas de abertura deram o tom da Nobel Week Dialogue - Semana de Dialogo Nobel, 2016 - que aconteceu no dia 8 de dezembro em Estocolmo, Suécia. Ela teve como principal tema o "futuro alimentar" com vistas a responder a pergunta "É possível prover a todas as pessoas alimentos produzidos de maneira sustentável?".

Com um pouco mais de 7 horas de duração resultante de dois dias de exposições, os diálogos foram gravados e apesar de não terem legendas em português, podem ser assistidos diretamente da página do evento. Essa é uma oportunidade de assistir discussões intrigantes, estimulantes e riquíssimas sobre o futuro dos alimentos. O evento reuniu ganhadores de Prêmios Nobel, cientistas e especialistas, líderes mundiais, principais líderes de opinião, formuladores de políticas e público em geral. Cabe destacar a participação de Marion Nestle, autora do blog “Food Politics” e de Eduardo Nilson, da Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição, do Ministério da Saúde.

Tara Garnett, fundadora da "Rede de Pesquisa de Alimentação e Clima" da Universidade de Oxford fez a primeira das três exposições de abertura que contou também com as falas de Johan Rockstrom - Centro de Resiliência de Estocolmo - e o Prêmio Nobel de Ciências Econômicas de 2015 Angus Deaton. Os três palestrantes apresentaram diferentes perspectivas sobre como o sistema e as escolhas alimentares podem tanto influenciar o abastecimento da população e distribuição de renda, quanto levar à impactos negativos ou à proteção de ecossistemas ambientais.

Garnett trouxe o exemplo de seus mais de 25 anos de experiência trabalhando em ONGs e setores acadêmicos e foca suas pesquisas nas interações entre alimentos, clima, saúde e problemas ambientais mais amplos. Ela se dedica a investigar os impactos gerados pela pecuária e como o conhecimento é comunicado e interpretado por gestores, sociedade civil, indústrias e suas diferentes formas de pensar sobre os problemas e soluções alimentares. Já o PhD e principal pesquisador do Centro de Resiliência de Estocolmo, Johan, apresentou o acumulado de seus estudos que resultaram mais recentemente nas "Nove Fronteiras Planetárias". Seu trabalho tem sido utilizado em diferentes painéis e grupos de trabalho da ONU como subsídio para solucionar problemas como os relacionados ao aquecimento global e seus agravos sociais, econômicos e ambientais, por exemplo, a insegurança alimentar. Fechando este bloco, o Prêmio Nobel e PhD, Angus Deaton, falou sobre a pesquisa que lhe rendeu a premiação em 2015, "Análise do consumo, pobreza e riqueza". Ele aborda, entre outros aspectos, a insegurança alimentar como resultante não apenas da falta de acesso aos alimentos, mas destaca também a importância da renda para evitar esse fenômeno. 

Ao longo dos dois dias de exposições, no entanto, foi possível observar em alguns diálogos um debate de opiniões que se traduz também na aplicação e elaboração de ações e estratégias para solucionar problemas globais como a segurança alimentar e nutricional e a produção sustentável de alimentos. Nesse sentido, outros dois Prêmios Nobel, Muhammad Yunus e Richard J. Roberts apresentaram visões, ainda que sobre temas pontuais, destoante da maioria dos que participaram do evento.  

O indiano Yunus citou a parceria de um de seus projetos com a Danone, a qual segundo ele se caracteriza como um exemplo de "social business". O projeto consiste na fortificação de um iogurte específico da marca Danone com micronutrientes e proteína, para que eles sejam comercializados a preços baixos para crianças pobres de Bangladesh com o intuito de combater a fome e desnutrição. Já o químico Richard Roberts, defendeu a utilização de organismos geneticamente modificados (transgênicos) para que a produção de alimentos consiga "atender a demanda de crescimento populacional dos próximos anos".

Essas duas visões vão à contramão dos outros expositores no sentido de reduzir à micronutrientes e à engenharia genética alimentícia os determinantes da fome, desigualdade e distribuição, insegurança alimentar  e produção ecológica. Ademias, nas duas situações os caminhos propostos continuam a terceirizar as soluções mantendo a tomada de decisões e a mercantilização dos insumos nas mãos de multinacionias e indústrias enquanto os interesses da sociedade civil, assim como seu protagonismo na elaboração e tomada de decisões, continuam secundarizados.   

Nesse sentido, Marion Nestle recebe o desafio de responder à seguinte questão: “Quem decide o que comemos?”.

A partir da perspectiva de quem trabalha e pesquisa sistemas alimentares, o foco de sua resposta estava no “advocacy”por uma alimentação adequada e saudável. Para contextualizar, Marion problematiza como fazemos nossas escolhas alimentares e como ambiente em que vivemos influencia nossas escolhas. Ela lembra que a desnutrição afeta 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo, a obesidade afeta 2 bilhões e os danos ambientais afetam o mundo inteiro. Muitos dos danos ambientais foram causados pelo sistema alimentar que construímos ao longo dos anos, quando adotamos dietas baseadas em alimentos ultraprocessados, produzidos pela indústria de alimentos. Hoje vivemos com problemas de saúde e problemas ambientais, relacionados a essas escolhas, mas as orientações para resolução de alguns dos nossos problemas vão contra os interesses da indústria alimentícia. Isso nos mostra algumas ironias encontradas no nosso sistema alimentar e representa uma grande dificuldade que é pensar na contradição que existe quando o Governo diz que metade do seu prato deve ser composto por frutas e vegetais, mas incentiva a produção de soja e milho, produtos que não estão presentes na nossa alimentação.

A professora questiona ainda, a produção norte americana, que produz quase duas vezes mais alimentos do que a população de fato precisa. Para dar evasão a essa produção a indústria criou algumas estratégias, uma delas é aumentar os tamanhos das porções oferecidas. Marion Nestle diz que como educadora alimentar e nutricional, se pudesse ensinar uma coisa ao mundo, seria: “porções maiores têm mais calorias”. Segundo ela, essa informação que parece óbvia, não é.

Além dos produtos de má qualidade nutricional, em porções absurdamente grandes, investe muito dinheiro em estratégias de Marketing, que contribuem para aumentar a venda de seus produtos. Especificamente, a indústria de bebidas doces é muito transparente quanto aos bilhões de dólares investidos no Marketing de seus produtos. A Coca-Cola, por exemplo, tem o plano de investir 17 bilhões de dólares em Marketing dos seus produtos, na África, entre 2010 e 2020.

Então, quando unimos esses fatores que têm construído o nosso ambiente alimentar, é muito difícil fazermos boas escolhas. É aí que entra o “advocacy”, que segundo a Forbes, é a nova ameaça à industria alimentícia. A noticia diz que pessoas relevantes na alimentação saudável direcionam as estratégias de Marketing e o desenvolvimento dos produtos da industria. Marion não concorda com a notícia, diz que as coisas ainda não são bem assim, mas de fato temos percebido algumas mudanças, como o movimento pela taxação das bebidas açucaradas, em alguns lugares do mundo. Marion finaliza sua fala relembrando que comer é um ato político, por isso é tão importante termos um sistema alimentar que nos  permita fazer escolhas alimentares saudáveis.

Depois dessa fala, seguindo com os painéis que discutiam “Porque comemos o que comemos?”, Eduardo Nilson, do Ministério da Saúde, falou um pouco sobre como o Brasil tem caminhado para tentar mudar o sistema alimentar e criar ambientes que favoreçam escolhas alimentares saudáveis. Para isso, nada mais atual e inovador que o Guia Alimentar para a População Brasileira, que não resume a alimentação à ingestão de nutrientes, mas abrange a perspectiva das refeições e da importância da comida de verdade. Isso é muito inovador porque ajuda as pessoas a verem o sistema alimentar, já que mostra para as pessoas o nível de processamento dos alimentos e estabelece um novo padrão de dieta, baseado em alimentos naturais, além de incentivar que as pessoas saibam o que elas estão escolhendo comer ou não.

Os diálogos estão incríveis e vale apena dedicar um tempo para acompanhar essas discussões e refletir sobre as suas escolhas e o ambiente em que vive:



Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui