Ideias na Mesa - Blog


postado por Nathália Bandeira Vilhalva Gheventer em Quinta-feira, 14 de Julho de 2016

A modernidade, fruto do desenvolvimento histórico e cultural da sociedade ocidental, culminou na consolidação tecnológica e capitalista das relações humanas. Hoje, seja na comunicação, alimentação, locomoção ou moradia, gozamos de inúmeros aparelhos, ciências, máquinas e aplicativos que de acordo com o senso comum, facilitam a vida do homem moderno. Porém, trazem também diversas consequências à saúde, ao meio ambiente, aos animais e aos indivíduos.

 

 

O [Comida na Tela] de hoje, a partir destas reflexões, traz o filme Os Sem Floresta, lançado em julho de 2006 pela companhia cinematográfica Dreamworks.

 

 

A animação gira em torno de animais que moram em uma floresta, onde vivem em harmonia e possuem uma relação mutualística com a natureza, de onde tiram todas as frutas, água e galhos que precisam para sobreviver. Após acordarem da hibernação, se veem envoltos por uma grande cerca viva, e assim, passam a temer o que esconde por detrás dela. Na verdade, ela esconde um grande e moderno condomínio, que fora construído enquanto os animais hibernavam.

 

 

Logo, os personagens começam a explorar este novo conglomerado, onde se deparam e se assustam com as várias tecnologias humanas.

 

 

Em um dado momento, maravilhados pelas facilidades, começam a utilizar celulares, videogames e aparelhos de som que encontram no lixo ou que pegam de dentro das casas. Além disso, começam também a se alimentar de vários produtos ultraprocessados, uma vez que as despensas das casas eram fartamente recheadas de biscoitos, salgadinhos de pacotes, guloseimas, sanduíches, dentre outros. O único ao não concordar com este comportamento, é a então tartaruga líder do grupo, que acreditava que frutas e galhos era a melhor opção, já que com estes alimentos industrializados, o restante do bando estava hiperativo, viciado e passando mal.

 

 

 

O filme, com 1 hora e meia de duração, reflete muito a situação em que vivemos hoje, onde a expansão do mercado imobiliário, em sua busca incessante por novas áreas agregáveis aos seus interesses financeiros, impacta diretamente no habitat natural dos seres vivos, fazendo-os muitas vezes "invadirem" as nossas casas e lixeiras à procura de alimentos para sobreviverem. Alimentos estes ultraprocessados, que acabam por afetar igualmente a saúde animal.

Que tal juntar a família nesse final de semana pra assistir essa animação? Além de muito divertida, ela conscientiza e discute sobre estes importantes temas atuais. Vale a pena!



Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui