Ideias na Mesa - Blog


postado por Ramon da Silva Rodrigues Almeida em Terça-feira, 30 de Junho de 2015

O [Pensando EAN] de hoje traz o TEDxLaçador da jornalista Fernanda Danelon, que propõe uma revolução no Brasil, que já vem acontecendo de forma silenciosa em diversas cidades ao redor do mundo todo, conhecida como “do prato ao prato”.

Essa revolução começa na transformação do próprio lixo em comida através da compostagem dos resíduos orgânicos produzidos em nossas casas, promovendo ações e iniciativas diretas e indiretas de educação ambiental em conjunto com a educação alimentar e nutricional, como por exemplo as hortas urbanas.

“Cada brasileiro produz 1kg de resíduo orgânico por dia, sendo assim são 200 milhões de kgs gerados por dia em todo o Brasil”

A jornalista instiga-nos a não depender de políticas públicas ou ações governamentais para colocarmos em prática ações de mudanças. Entretanto respalda a importância do projeto “Composta São Paulo”, onde a prefeitura da cidade distribuiu 2000 minhocários para as famílias fazerem suas próprias compostagens.

 

E expõe dados de uma pesquisa que avaliou o projeto e revelou que 78% dos participantes mudaram seus hábitos alimentares e passaram a comer mais frutas e verduras, além de 1/3 destes começarem a construção de uma rede de trocas de experiências e o início de hortas comunitárias.

“Essas hortas acabaram virando espaços de convívio, de reocupação de fato da cidade, começou a haver muita troca”

“Começamos a descobrir plantas comestíveis não convencionais também, aquele matinho que cresce no meio da calçada e você não dá valor. Esse matinho não só pode ser muito rico nutricionalmente, como tem uma infinidade de receitas para fazer com ele”

“Nisso você começa a prestar mais atenção no que está comendo”

Fernanda ainda mostra a sua iniciativa de fundar o Instituto Guandu, que tem por missão compartilhar informação e conhecimento sobre meio ambiente e segurança alimentar através de hortas-escolas e da ecogastronomia, além de trazer soluções ambientais para os resíduos orgânicos gerados pelos restaurantes.

“O que nos une invariavelmente é o prato de comida, somos todos diferentes, mas somos completamente interdependentes”

Ela encerra sua participação de forma bela e inspiradora: “A revolução que a gente tanto quer começa na cozinha e comer pode e deve ser um ato político”.

Confira o vídeo da apresentação da jornalista Fernanda Danelon logo abaixo:



Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui