Ideias na Mesa - Blog


postado por Rafael Rioja Arantes em Sexta-feira, 15 de Maio de 2015

No quadro de hoje indicamos e analisamos o premiado filme “Mostly Martha”, traduzido para o português como simplesmente Martha. O original lançado em 2001 é de coprodução Alemã e Italiana, e foi regravado em 2007 com direção americana.

O roteiro dos filmes é praticamente idêntico, porém, o que nos levou a preferir o original foi o fato de a comida ser protagonista das cenas apesar de ambos os filmes tratarem dos alimentos. Ademais, os personagens representam com mais autenticidade os choques culturais de duas cozinhas distintas.  

A história gira em torno de Martha, uma chefe de cozinha apaixonada pelo seu trabalho que trata o ato de cozinhar com extremo carinho e cuidado, mas que tem uma vida pessoal extremamente instável e em desequilíbrio emocional. Algumas situações agravam ainda mais este quadro como quando a sua sobrinha passa a morar com ela após a morte de sua irmã.

A primeira parte do filme evidencia os aspectos conflituosos na vida da chefe onde é possível estabelecer uma conexão entre o seu temperamento e a forma com que ela encara o ato de cozinhar. Apesar de apaixonada pela profissão, ela toma as preparações como um ato extremamente mecanizado beirando a perfeição, deixando muitas vezes de saborear aquilo que faz.

Retomando os acontecimentos do filme, a relação com sua sobrinha fica cada vez mais complicada, pois a menina recusa-se a comer fazendo inclusive uma greve de fome, fato este frustrante para uma chefe. O estopim é quando Martha discuti no restaurante em que trabalha com um cliente que estava insatisfeito com seu prato. A dona do restaurante aconselha Martha a procurar um terapeuta e tirar alguns dias para descansar.

Martha no entanto não contava que ao voltar ao restaurante após alguns dias se depararia com um subchefe recém contratado vindo da Itália. O ambiente de trabalho muda completamente com a chegada de Mário de personalidade extrovertida e caricata. Assim como Martha, Mário é um apaixonado pelo que faz, mas que encara o ato de cozinhar de maneira muito mais leve e descontraída.

Mais uma vez a temática da prática culinária toma um papel central evidenciado na forma com que os personagens fazem as preparações, que tem relação direta na a forma com que eles se relacionam com as pessoas e encaram a vida.

Certamente a chefe não gosta nada da ideia e no começo os conflitos são constantes. O choque cultural e comportamental acontece entre o estilo de cozinha do Mário, sempre vibrante, cheia de barulhos e emoções e a de Martha, sempre sóbria e muito concentrada. A vida de Martha passa a ser influenciada por este novo acontecimento, e a forma com que ela encara as relações profissionais e pessoais muda novamente, sempre com os elementos alimentares estando presentes direta ou indiretamente.

O drama/comédia mostra como o ato de cozinhar influencia a forma como encaramos a vida e nos relacionamos com as pessoas. As cenas belíssimas, principalmente as que envolvem comida, vão te deixar com vontade de pular na cozinha. Aproveite o impulso, tire aquela receita da gaveta e mãos à obra!!

 

Direção e roteiro: Sandra Nettelbeck 

Gênero: drma/comédia

País: Alemanha/Itália/Áustria/Suíça

Ano: 2001

Duração: 109 minutos






Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui