Ideias na Mesa - Blog


Posts Relacionados com a(tag):alimentação saudável

postado por Rafael Rioja Arantes em Segunda-feira, 03 de Outubro de 2016

A experiência de hoje evidência atividade de educação alimentar e nutricional realizada por estudantes do curso técnico de nutrição com pré-escolares do Centro Educacional de Japaratuba/SE.

O objetivo da atividade foi trazer aos escolares conceitos sobre uma alimentação saudável de maneira lúdica e com linguagem acessível a faixa etária. Para tanto, o grupo realizou uma visita na escola para ter um primeiro contato na fase de diagnóstico, e posterior a este momento, foram elaboradas quatro etapas com as crianças.

Na primeira delas, a equipe promoveu uma apresentação de teatro com fantoches mostrando os benefícios de uma alimentação saudável e os malefícios do consumo de alimentos ultraprocessados. Frutas, vegetais assim como alimentos processados foram utilizados como personagens para captar a atenção do público e dialogar sobre alimentação. A atividade seguinte juntou a explicação dos benefícios do consumo de alimentos saudáveis com oficinas de desenhos para que as crianças fixassem os conteúdos de maneira visual.         

Na terceira etapa as crianças foram vendadas e colocadas a provar alimentos explorando os sentidos do tato, olfato e paladar em atividade denominada TOP. Nesta etapa também foram passadas informações sobre a importância de higienizar as mãos. Durante a quarta e última etapa as crianças vestiram avental e toucas e foram orientadas a montar um espetinho saudável provando frutas inclusive que algumas delas nunca tinham tido contato.

O grupo de nutricionistas que conduziu as atividades de educação alimentar e nutricional observou uma grande adesão por parte das crianças que se mostraram interessadas principalmente com as atividades de fantoches e na parte sensorial TOP. Eles relataram que os escolares tiveram ações positivas incluindo expressões não verbais e outras manifestações como o relato de provar alimentos pela primeira vez.  

       


 

 



postado por Ana Maria Thomaz Maya Martins em Segunda-feira, 04 de Julho de 2016

O projeto "Super Hábitos, Super Poderes" foi criado para aproximar crianças e hábitos alimentares saudáveis, demonstrando de maneira prática a importância da alimentação adequada e saudável. Além disso, a atividade buscou estimular a prática de atividade física cotidiana e o envolvimento familiar no processo de valorização e prática de hábitos alimentares saudáveis.

O projeto desenvolvido em uma escola do Distrito Federal, com aproximadamente 60 crianças das turmas do primeiro ao quinto ano, foi dividido em 3 etapas e realizados ao longo de 5 encontros nos quais os participantes participavam de oficinas práticas e deveriam cumprir missões que eram:

- Explicar para 3 pessoas o que é alimentação saudável

- Conhecer o rótulo dos alimentos

- Preparar um smoothie

- Piquenique

Os encontros eram quinzenais e ao final de cada atividade realizada, era discutida a missão proposta e uma nova temática.  Os resultados eram sempre abordados  com as crianças em uma roda de conversa a fim de esclarecer dúvidas sobre as missões e resumir o assunto tratado.

Para acessar essa experiência completa acesse aqui

 

Você no Ideias na Mesa!     

Em 2016 queremos valorizar ainda mais as experiências de Educação Alimentar e Nutricional cadastradas na rede. Assim como a Gabriella Ribeiro, você pode ter a oportunidade de ter sua experiência divulgada aqui no Blog. Cadastre suas experiências de EAN e compartilhe com outros usuários suas vivências, ideias e desafios. Vamos fortalecer e qualificar nossas ações pelo Brasil.



postado por Isadora Dias Nunes de Sena em Segunda-feira, 30 de Maio de 2016

Que tal um jogo que ensine sobre EAN de forma divertida por meio da percepção dos alimentos pelos sentidos? Essa foi a proposta do jogo de tabuleiro tamanho criança, criado por estudantes de nutrição da Universidade Federal de Sergipe e aplicado em uma escola de ensino fundamental em Socorro-SE.

No tabuleiro, onde as crianças eram as próprias peças, havia casas com interrogações que continham perguntas referentes a hábitos alimentares, e casas com imagens de ‘rostos tristes’ que continham algumas informações negativas à respeito de alimentação. Além delas, havia casas dos sentidos onde ‘T’ indicava o tato - a criança vendada deveria adivinhar qual o alimento que tem em mãos -, ‘P’ indicava o paladar - a criança deveria saborear a fruta para descobri-la-, e ‘O’, o olfato - deveria cheirar para tentar adivinhar-.

Algumas perguntas foram feitas em forma de charadas para manter a atenção e a diversão das crianças, que tinham entre seis e sete anos, como por exemplo: O que é o que é, que tem escama, mas não é peixe, tem coroa, mas não é rei? R: ABACAXI.

Assim, ao final, pôde ser comprovado que o público infantil dedica mais a sua atenção quando a ação de educação em saúde é de forma lúdica e que tais crianças tinham um conhecimento prévio sobre alimentação saudável, o que resultou em um ótimo rendimento no jogo.

 

Veja a experiência completa aqui!

 


 

Você no Ideias na Mesa!     

Em 2016 queremos valorizar ainda mais as experiências de Educação Alimentar e Nutricional cadastradas na rede. Assim como a Letícia Caroline S. Oliveira, você pode ter a oportunidade de ter sua experiência divulgada aqui no Blog. Cadastre suas experiências de EAN e compartilhe com outros usuários suas vivências, ideias e desafios. Vamos fortalecer e qualificar nossas ações pelo Brasil

 



postado por Isadora Dias Nunes de Sena em Segunda-feira, 09 de Maio de 2016

A autonomia alimentar, um dos princípios do Marco de Educação Alimentar e Nutricional, só pode ser alcançada a partir do acesso á informação e seus significados. Pensando nisso e na situação atual da sociedade, onde é alto o consumo de produtos industrializados, os alunos do curso de Nutrição da Universidade Federal de Lavras, criaram o projeto "Semáforo Nutricional", que tem por objetivo ajudar a população a escolher os produtos de forma mais saudável por meio da leitura dos rótulos contidos nos alimentos.

Foi elaborado um folder, contendo valores adequados e inadequados, para uma alimentação saudável, de diferentes nutrientes contidos nos alimentos, sendo eles: gorduras totais, gorduras saturadas, sódio e fibras. Os três primeiros são os principais desencadeadores de diversas doenças crônicas não transmissíveis, já as fibras, quando consumidas em quantidades adequadas trazem diversos benefícios para a saúde. 

A ação foi aplicada em uma rede de supermercados onde os alunos abordaram os consumidores e explicaram sobre a rotulagem dos alimentos, os impactos na saúde de seus nutrientes e como utilizar o folder para auxiliá-los na hora de escolher o que comprar.

Os alunos perceberam que, apesar da população estar cada vez mais interessada em ter uma vida saudável, a maioria não sabia interpretar corretamente as informações nutricionais contidas nos rótulos dos alimentos.

Veja a experiência completa.

____________________________________________________________

Você no Ideias na Mesa!     

Em 2016 queremos valorizar ainda mais as experiências de Educação Alimentar e Nutricional cadastradas na rede. Assim como a Najla Cecília Xavier Andrade, você pode ter a oportunidade de ter sua experiência divulgada aqui no Blog. Cadastre suas experiências de EAN e compartilhe com outros usuários suas vivências, ideias e desafios. Vamos fortalecer e qualificar nossas ações pelo Brasil!

 



postado por Débora Castilho em Quarta-feira, 04 de Maio de 2016

O Marco de Educação Alimentar e Nutricional, nos princípios para as ações de EAN, trata a respeito da valorização da cultura alimentar local, a comida e o alimento como referências e a valorização da culinária enquanto prática emancipatória. 

Pensando nisso, separamos para destaque de hoje no [Biblioteca do Ideias] o livro Alimentação Saudável na Culinária Regional.

 

 

O livro é um manual técnico de culinária, que ensina a preparar e cozinhar os alimentos, com tabelas de pesos e medidas dos ingredientes, ditando os valores nutricionais nas receitas, com informações adequadas, porção por porção, métodos de cozimentos e demais informações e classificações dos produtos.

A publicação traz uma diversidade de preparações com condimentos do cerrado, como pão de jatobá e de mandioca, bolo de jiló, chica-doida, creme e lasanha de piqui, inhoque de milho verde, canjicada de baru, su?ê de guariroba, casadinho de mangaba... explorando, de um modo correto, os produtos do cerrado.

 

 

O livro começa traçando um panorama das influências multiculturais na gastronomia brasileira e regional e como as mudanças nos hábitos alimentares, ocasionadas pela globalização, tornaram necessárias ações que possibilitem um resgate cultural culinário, com foco na sustentabilidade, qualidade nutricional e sensorial.

Em um segundo momento, o leitor poderá obter informações sobre a utilização de ervas e condimentos e como utilizá-los adequadamente, na busca por novos sabores; métodos de cocção e suas aplicações e práticas de higiene fundamentais para o preparo de alimentos saudáveis. O livro conta ainda com um pequeno glossário dos termos utilizados na culinária, tabela de medidas caseiras, listagem de ingredientes típicos e sugestões de substituição para outras regiões brasileiras.

 

 

“Cozinhar não é um ato mecânico. Embora possa parecer rotineiro, é necessário estar presente de corpo e alma, ser seduzido pelas cores, aromas e frescor dos alimentos. A natureza fornece a matéria prima, cabendo a nós produzir, de forma criativa, alimentos saudáveis e saborosos, capazes de proporcionar satisfação e bem estar a quem os consomem, transformando o que poderia ser uma simples refeição, em uma prazerosa viagem.”

Que tal testar uma das receitas e depois vir aqui nos contar?

Confira o livro aqui na [Biblioteca do Ideias]!

 



postado por Débora Castilho em Quarta-feira, 13 de Abril de 2016

A escola é uma instituição responsável pela formação de pessoas que estão em processo de desenvolvimento. Todos que estão ali (professores, funcionários, alunos, pais, donos (as) de cantinas), que formam a comunidade escolar, precisam estar envolvidos com o processo educativo, porque a vida, a saúde e a preparação de um futuro melhor e mais saudável para nossas crianças e jovens é uma responsabilidade não só do Estado ou da família, mas de todos nós.

E a escola também tem o papel de educar a criança para que ela se torne um cidadão crítico, que saiba fazer escolhas adequadas e de forma responsável, inclusive as escolhas alimentares.

É neste ambiente de educação que também se encontra a Cantina Escolar, a quem cabe também um papel ativo muito importante como estimuladora de hábitos alimentares saudáveis e influenciadora na formação do indivíduo, dentro do ambiente escolar.

Sendo assim, o [Biblioteca do Ideias] vem destacar o “Manual das Cantinas Escolares Saudáveis: Promovendo a alimentação saudável”. O Manual foi elaborado pela Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde em parceria com o Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição (OPSAN).

 

Ele tem por objetivo principal apoiar a transformação de cantinas não saudáveis, passando de forma clara e simples, informações sobre a importância da alimentação e nutrição, bem como estratégias de implantação da cantina saudável.

O Manual é um guia para todos(as) donos e donas de cantinas escolares que queiram transformar seus estabelecimentos em locais para a promoção da alimentação saudável. Nele contém informações fundamentais sobre Alimentação e Nutrição: o que é um lanche saudável e como promovê-lo; orientações sobre normas de higiene; estratégias e sugestões de um cronograma para implantar a cantina saudável, dentre outras.

A publicação é também a apostila utilizada pelo curso online: Cantinas Escolares Saudáveis - promovendo a alimentação saudável, disponibilizado pela Rede de Alimentação e Nutrição do Sistema Único de Saúde - RedeNutri. O curso, assim como o manual, é voltado para donos de cantinas e demais integrantes da comunidade escolar e tem por finalidade a reflexão sobre o papel que a cantina pode ter na promoção da alimentação adequada e saudável no ambiente escolar.

 

Quer saber mais?

Confira o manual completo em nossa Biblioteca! E para acessar o curso online da Redenutri clique aqui!

Além do Manual e do curso da redenutri, há também o site - Cantina saudável: http://www.cantinasaudavel.com.br/

 



postado por Débora Castilho em Quarta-feira, 06 de Abril de 2016

Sabe-se que faz parte da competência do nutricionista zelar pela preservação, promoção e recuperação da saúde, alimentação e nutrição no ambiente escolar.

Para isto, as normas que abordam a atuação do nutricionista no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), estabelecem que este profissional seja o responsável por um conjunto de ações técnicas tais como: realizar o diagnóstico e o acompanhamento do estado nutricional; planejar, elaborar, acompanhar e avaliar o cardápio da alimentação escolar, levando em consideração as necessidades alimentares específicas de crianças, adolescentes e adultos.

Também deve propor e realizar ações de Educação Alimentar e Nutricional (EAN) considerando as distintas fases da vida, etapas do sistema alimentar e as interações e significados que compõem o comportamento alimentar.

Pensando nisso o [Biblioteca do ideias] hoje destaca o “Manual de Orientação para a Alimentação Escolar na Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio e na Educação de Jovens e Adultos”.

O manual tem por objetivo oferecer informações que auxiliem suas ações no desenvolvimento e operacionalização das atividades inerentes ao PNAE, quando relacionadas ao fornecimento de alimentação escolar diferenciada de acordo com as necessidades específicas de cada etapa do ciclo de vida, bem como das etapas de ensino: educação infantil, ensino fundamental, ensino médio e Educação de Jovens e Adultos.

A proposta do Manual é servir de orientação para os nutricionistas, diretores, professores e demais profissionais envolvidos com o programa de alimentação escolar no processo de educação nutricional, contendo informações sobre a promoção da alimentação saudável nas escolas.

Para baixar e saber mais sobre o Manual clique aqui: http://goo.gl/ZrwKfP

 



postado por Ramon da Silva Rodrigues Almeida em Quarta-feira, 30 de Março de 2016

 As boas práticas nutricionais são um conjunto de medidas para garantir a adequação nutricional das refeições e dos alimentos em geral para atender as necessidades e demandas da população.

Nos dias de hoje, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o consumo de sódio e açúcar aumentou, além dos inúmeros avanços de casos de obesidade, principalmente a infantil em todo o país.

Além disso, as doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes, hipertensão, câncer são consideradas um sério problema de saúde pública, e já são responsáveis por 63% das mortes no mundo, segundo estimativas da OMS.

Portanto uma alimentação saudável e adequada é uma forma de evitar o agravamento desses quadros da saúde pública do Brasil, principalmente pelo intensivo hábito dos brasileiros de se alimentar fora de casa, em restaurantes, ou outros estabelecimentos.

Por isso, separamos o Guia de Boas Práticas Nutricionais para Restaurantes Coletivos  da [Biblioteca do Ideias] para ajudar na orientação dos serviços de alimentação e  na preparação dos alimentos em restaurantes coletivos  e melhorar o perfil nutricional dos alimentos.

O objetivo do Manual é orientar os restaurantes coletivos a adotarem as Boas Práticas Nutricionais no preparo das refeições, de forma a contribuir para a oferta de uma alimentação mais saudável à população, com vistas a disponibilizar para a população preparações com quantidades menores de açúcar, gordura saturada, gordura trans e sódio no produto final.

O documento ainda traz exemplos de Fichas Técnicas de Preparação (FTP) para ajudar os profissionais a prepararem os alimentos.

Veja na [Biblioteca do Ideias] essa publicação!



postado por Ramon da Silva Rodrigues Almeida em Quarta-feira, 09 de Março de 2016

Sabemos que o lugar das mulheres é onde elas quiserem, seja dentro de um escritório, um laboratório cientifico, dirigindo um ônibus, mas é inegável o papel pioneiro que estas possuem no cozinhar e na alimentação.

Mas como disse a agrônoma Miriam Nobre, em sua entrevista para a 6ª Revista Ideias na Mesa: “Gostaria muito que a gente exercitasse mais o cozinhar coletivamente”, e que o cozinhar não seja reduzido à figura da mulher e perpetue mais preconceitos e estigmas.

Contudo, como já dito, o protagonismo no cozinhar ainda é feminino, principalmente nas cozinhas das escolas e creches de todo o mundo, com a figura das merendeiras.

Dessa forma, hoje na [Biblioteca do Ideias] trazemos o Manual da Merendeira,  para valorizar e colaborar ainda mais o papel dessas mulheres, assim como a sua função de alimentar as/os estudantes.

O PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) compreende o papel que a merendeira desempenha como agente condutora das técnicas adequadas para o preparo da merenda e das informações sobre os bons hábitos alimentares.

Sabido uma alimentação saudável e adequada é e extrema importância para o rendimento das/dos estudantes em sala de aula.

O Manual conta com algumas noções sobre alimentação e nutrição, orientações para a elaboração do cardápio escolar, cuidados sobre a higiene pessoal e dos alimentos, dicas para o armazenamento dos gêneros alimentícios, entre outros.

 

 

Confira todas essas dicas e orientações do Manual da Merendeira completas na [Biblioteca do Ideias].



postado por Ramon da Silva Rodrigues Almeida em Quarta-feira, 02 de Março de 2016

Sabia que comemoramos do dia 29 de fevereiro até o dia 6 de março a Semana Mundial da Consciência sobre o Sal?

No Brasil, o consumo de sal aumentoudevido, devido ao sal escondido ou não nos alimentos ultraprocessados.

O Ideias na Mesa também apoia a Semana Mundial da Consciência sobre o Sal e como forma de fortalecer a luta, apresentamos na [Biblioteca do Ideias] de hoje, a Cartilha da Boa Alimentação: excesso de sal faz mal à saúde, desenvolvida pela Associação Brasileira de Mulheres Médicas e pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

 

Por meio de uma linguagem fácil e acessível, a cartilha mostra a importância de que manter uma alimentação saudável ao longo da vida é essencial para prevenir problemas de saúde em todas as idades.

O consumo de sal entre a população brasileira aumentou gradativamente e consequentemente os riscos de doenças crônicas não transmissíveis, pressão alta, insuficiência cardíaca e renal, derrame, etc. também.

E com popularização dos alimentos ultraprocessados, como salgadinhos, biscoitos, embutidos, entre outros, ricos em sódio, um dos componentes do sal de cozinha, o cenário tomou outras proporções de agravo, como a obesidade infantil.

Assim a cartilha traz passos importantes para se diminuir o sal no preparo dos alimentos, assim como o incentivo a não consumir alimentos ultraprocessados, como estar atento aos rótulos sobre a quantidade do sal dos produtos, até o uso de mais ervas e condimentos naturais nos preparos das refeições, etc.

Veja a cartilha aqui completa da [Biblioteca do Ideias].



Go to page:
Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui