Ideias na Mesa - Blog


Posts Relacionados com a(tag):Culinária

postado por Rafael Rioja Arantes em Sexta-feira, 03 de Julho de 2015

Quem não se recorda de um almoço de domingo em família?

O filme “Alimento da alma” é a melhor representação do que significa uma refeição de domingo em família. A trama se desenvolve a partir das refeições dominicais realizadas há 40 anos na casa de “Mama Joe”, a matriarca da família.

A mesa é o local onde se sentam irmãs, neto, vó, filhos e cunhado para partilhar refeições e os assuntos do dia a dia, e como é de costume, muita descontração e discussões acontecem ao longo do filme. Os encontros do domingo servem para manter o vínculo e diálogo familiar, hora mais leve hora mais conturbado, e as receitas de Mama Joe são sempre o fator aglutinador familiar.

Em um dado momento o núcleo familiar se distância em virtude das várias brigas que passam a ocorrer entre os membros e problemas de saúde impedem que a Mama Joe continue a pilotar as refeições de domingo. O neto Ahmad que era muito querido de sua vó assume as receitas na cozinha na tentativa de reaproximar a família pela barriga.

O filme além de muito bem dirigido enfatiza o papel transformador da comida e das refeições em família, por isso o título. O recorte racial também é um fator muito interessante abordado pelo filme, uma família negra é protagonista do longa sem ser estereotipada, o que não é muito característico dos filmes Hollywoodianos.      

Um ótimo filme para assistir em família e por que não cozinhar um almoço juntos antes da sessão?



postado por Ramon da Silva Rodrigues Almeida em Sexta-feira, 26 de Junho de 2015

Você já ouviu falar no chef e crítico culinário Nigel Slater?

O [Comida na Tela] traz hoje o filme que retrata a vida desse renomado chef de cozinha britânico. A produção foi lançada em 2010 e foi dirigida por S. J. Clarkson e conta com as atuações magníficas do Freddie Highmore (A Fantástica Fábrica de Chocolate) e da atriz Helena Bonham Carter (Saga Harry Potter).

A trama gira em torno da história de Nigel, uma criança fascinada por culinária, mas que vive uma vida enlatada, pois sua mãe não sabe cozinhar e compra alimentos enlatados para compor todas as refeições da família, pois vê nas comidas industrializadas, uma segurança extrema de bem-estar de sua família, o que não afeta o amor por sua mãe.

 

Nigel mesmo diante da proteção extrema de sua mãe, deseja comer uma refeição que não seja artificial e conhecer o mundo mais amplo da alimentação e da culinária.

Após a morte de sua mãe, o jovem Nigel sofre pela ausência de sua protetora e vive uma dificuldade em se relacionar novamente com seu pai, principalmente depois da chegada de uma governanta para casa e que mais tarde se tornaria sua madrasta.

O dilema de Nigel com sua madrasta fica mais intenso quando ele se descobre na culinária, visto que ela também é uma exímia cozinheira, os dois começam a disputar a atenção do Sr. Slater, o pai do menino, através da comida.

 

O longa nos presenteia com uma fotografia impecável, carregada de cores e detalhes principalmente nos alimentos e nos vestidos que a madrasta de Nigel usa, sempre estampados de alimentos bem coloridos.

No filme, o principal prato de disputa entre o menino e sua madrasta Sr. Potter é uma deliciosa torta de limão que o canal Tastemade Brasil e o Comida de Cinema nos mostra como se faz passo a passo, veja e delicie-se: Comida de Cinema – Torta de Limão “Toast”.



postado por Ideias na Mesa em Quinta-feira, 21 de Maio de 2015

Você já teve a curiosidade de saber os hábitos alimentares de grandes personalidades históricas? Ou já parou pra pensar que de alguma forma os alimentos poderiam trazer alguma característica de suas personalidades ou da época em que viveram?

Pois hoje trazemos uma série de vídeos chamada “Last Supper” criados pelo diretor inglês Gus Filgate, em que ele recria a última refeição de personagens da história, que vão do imperador romano Júlio César a Jimi Hendrix, passando pelo líder político francês Napoleão Bonaparte. 

Para o trabalho, foi feita uma pesquisa minuciosa de cada prato. No vídeo de Hendrix, por exemplo, Gus prepara o sanduíche de atum que Monika Dannemann, namorada do guitarrista, fez para seu amado antes de ele morrer.

No site do projeto, Filgate fala sobre os bastidores e curiosidades das filmagens, o que torna a experiência ainda mais legal.

Júlio César – mexilhões, camarão e cordeiro



Napoleão Bonaparte – vísceras, carnes e ovos



Jimi Hendrix – sanduíche de atum



Para assistir aos vídeos na íntegra acesse este link.

Guardando semelhança com o projeto de vídeos,  a ideia de fotografar últimas refeições de pessoas não é nova. Em 2013, o fotógrafo de comida Henry Hargreaves criou a série “No Seconds“, que mostra o pedido de presidiários no corredor da morte, antes da execução.


 



postado por Rafael Rioja Arantes em Sexta-feira, 15 de Maio de 2015

No quadro de hoje indicamos e analisamos o premiado filme “Mostly Martha”, traduzido para o português como simplesmente Martha. O original lançado em 2001 é de coprodução Alemã e Italiana, e foi regravado em 2007 com direção americana.

O roteiro dos filmes é praticamente idêntico, porém, o que nos levou a preferir o original foi o fato de a comida ser protagonista das cenas apesar de ambos os filmes tratarem dos alimentos. Ademais, os personagens representam com mais autenticidade os choques culturais de duas cozinhas distintas.  

A história gira em torno de Martha, uma chefe de cozinha apaixonada pelo seu trabalho que trata o ato de cozinhar com extremo carinho e cuidado, mas que tem uma vida pessoal extremamente instável e em desequilíbrio emocional. Algumas situações agravam ainda mais este quadro como quando a sua sobrinha passa a morar com ela após a morte de sua irmã.

A primeira parte do filme evidencia os aspectos conflituosos na vida da chefe onde é possível estabelecer uma conexão entre o seu temperamento e a forma com que ela encara o ato de cozinhar. Apesar de apaixonada pela profissão, ela toma as preparações como um ato extremamente mecanizado beirando a perfeição, deixando muitas vezes de saborear aquilo que faz.

Retomando os acontecimentos do filme, a relação com sua sobrinha fica cada vez mais complicada, pois a menina recusa-se a comer fazendo inclusive uma greve de fome, fato este frustrante para uma chefe. O estopim é quando Martha discuti no restaurante em que trabalha com um cliente que estava insatisfeito com seu prato. A dona do restaurante aconselha Martha a procurar um terapeuta e tirar alguns dias para descansar.

Martha no entanto não contava que ao voltar ao restaurante após alguns dias se depararia com um subchefe recém contratado vindo da Itália. O ambiente de trabalho muda completamente com a chegada de Mário de personalidade extrovertida e caricata. Assim como Martha, Mário é um apaixonado pelo que faz, mas que encara o ato de cozinhar de maneira muito mais leve e descontraída.

Mais uma vez a temática da prática culinária toma um papel central evidenciado na forma com que os personagens fazem as preparações, que tem relação direta na a forma com que eles se relacionam com as pessoas e encaram a vida.

Certamente a chefe não gosta nada da ideia e no começo os conflitos são constantes. O choque cultural e comportamental acontece entre o estilo de cozinha do Mário, sempre vibrante, cheia de barulhos e emoções e a de Martha, sempre sóbria e muito concentrada. A vida de Martha passa a ser influenciada por este novo acontecimento, e a forma com que ela encara as relações profissionais e pessoais muda novamente, sempre com os elementos alimentares estando presentes direta ou indiretamente.

O drama/comédia mostra como o ato de cozinhar influencia a forma como encaramos a vida e nos relacionamos com as pessoas. As cenas belíssimas, principalmente as que envolvem comida, vão te deixar com vontade de pular na cozinha. Aproveite o impulso, tire aquela receita da gaveta e mãos à obra!!

 

Direção e roteiro: Sandra Nettelbeck 

Gênero: drma/comédia

País: Alemanha/Itália/Áustria/Suíça

Ano: 2001

Duração: 109 minutos






postado por Rafael Rioja Arantes em Sexta-feira, 24 de Abril de 2015

"No sangue do mineiro corre queijo"

Impossível não salivar ao assistir ao belíssimo documentário de Wagner Indaiá. Produtores de Queijo Canastra abrem as portas de casa, dão relatos, contam histórias, e discorrem sobre o processo de produção deste alimento artesanal feito com alma, desde sua concepção no Brasil colônia até os dias de hoje. O Queijo Canastra é uma herança da culinária portuguesa que chegou ao Brasil com a família real. Na Vila rica – antigo nome da região da Canastra - o queijo era uma forma de conservar o leite nas longas jornadas de trabalho, indispensável aos exploradores.  

Eleito pelo povo mineiro como o queijo mais gostoso de Minas Gerais, o queijo Artesanal da Região da Canastra foi também declarado Patrimônio Cultural do Brasil em 2008. A Serra que dá nome ao queijo é compreendida por 7 regiões produtoras, Tapiraí, Medeiros, Bambuí, Vargem Bonita, Piumhí, Delfinópolis e São Roque de Minas.

O clima da região, altitude, águas puras, e pastos nativos conferem ao Queijo Canastra um sabor único. A relação do produtor com os animais é outro fator crucial como exemplifica Zé Mario, um produtor local: “A produção do queijo não tem segredo nenhum. O que faz a diferença é o alimento do animal e o jeito de tratar as vacas. Se você maltratar o animal ele não vai te dar leite e aí a gente que sai no prejuízo e não ele, você tem que tratar bem o animal”.

Aspectos culturais também são abordados no documentário, por exemplo, você em algum momento já deve ter se deparado com a frase de que mineiro corre atrás do queijo certo? Pois Chico chagas, outro produtor da região, garante que essa história é verídica e aconteceu na Região da Canastra: “Quando a produção aumentou, o queijo passou a ser transportado em carro de boi e durante uma viagem um motorista inexperiente deixou o carro tombar na ladeira. O rapaz saiu correndo desesperado atrás dos queijos, e daí então surgiu a história verdadeira de que mineiro corre atrás do queijo.”  

Sem mais demoras, dou uma dica antes de começar a assistir ao vídeo. Se não quiser passar vontade garanta um bom cafezinho e um queijo Canastra se possível, um pão de queijo também vai bem. 



postado por Rafael Rioja Arantes em Quarta-feira, 22 de Abril de 2015

 

Em comemoração e reconhecimento ao dia do índio que foi celebrado neste domingo dia 19 de abril o Ideias na Mesa exibe alguns vídeos relacionando grupos indígenas como protagonistas de ações que envolvem alimentação. Tendo-se a dimensão da comida como um patrimônio, nada mais adequado do que trazer experiências e práticas indígenas que sempre tiveram e ainda mantém uma relação muito próxima e sustentável entre os alimentos, sua cultura e a natureza.    

Reunimos alguns vídeos que mostram alimentos típicos que constituem a base da alimentação indígena, o uso medicinal de plantas, assim como uma experiência de parceria com um produtor local para comercialização de alimentos orgânicos, gerando renda para a comunidade.

O vídeo abaixo ensina a como preparar uma refeição típicamente ínigena, o "peixe com biju". O "biju" ou "beiju", é feito com um alimento tradicional da cultura brasileira que é conhecido por vários nomes dependendo da região: Mandioca, macaxeira e aipim. Coincidentemente, dia 22 de abril é comemorado o dia da mandioca, este tubérculo extremamente rico cultural e tradicionalmente.     

Outro vídeo que traz o peixe com biju como a base da alimentação, abordando também costumes da tribo, e a relação entre desmatamento e carências nutricionais:

Este vídeo apresenta um "herbário fitoterápico", o uso de plantas naturais com fins medicinais a partir do conhecimento secular indígena:

 

Uma tese de estudo é apresentada entre a relação da alimentação observada sob a ótica econômica em um grupo indígena. É analisado o período desde o cultivo até o consumo final: 

 

O seguinte vídeo traz uma matéria mostrando a associação de indígenas com um produtor local de orgânicos, melhorando a Segurança Alimentar e Nutricional da comunidade através da geração de renda: 

 

Os vídeos exemplificam a rica cultura e conhecimento natural que os povos indígenas possuem, evidenciando a relação que estes povos possuem com a terra. Alimentos, medicamentos e renda são elementos que os índios extraem e recebem através de sua íntima relação com o solo.   



postado por Rafael Rioja Arantes em Quarta-feira, 15 de Abril de 2015

 


Para os interessados no processo histórico da culinária ou no preparo de receitas antigas foram adicionados a biblioteca do Ideias 8 arquivos de livros de receitas com cheirinho de prateleira. As obras apresentam receitas tradicionais que vão desde iguarias exóticas a pratos do cotidiano, passando por preparações salgadas, doces, confeitaria, panificação, ingredientes e alimentos regionais. Técnicas de conservação dos alimentos, e até mesmo utensílios e equipamentos essenciais que se deve ter em uma cozinha são mencionados em alguns livros.

A maioria dos livros remonta costumes tradicionais da época, e alimentos e preparações que eram comumente elaboradas antigamente. Muitos deles continuam perfeitamente atuais. Curiosidades históricas também estão evidenciadas, como por exemplo, o primeiro livro de culinária escrito em português.

Confira os livros na íntegra clicando nas capas abaixo: 

             

                                     

                     

E você se lembra? O Ideias na Mesa produziu um livro de receitas colaborativo chamado "Mais que receitas", para acessá-lo basta entrar na aba "Publicações do Ideias" dentro da Biblioteca. 

Gostou de alguma das receitas dos livros de nosso acervo, ou tentou alguma das preparações? Compartilhe sua experiência conosco. Caso conheça algum outro livro de receitas manda pra gente!  


 



postado por Luana Mello em Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2015

Já pensou que bom seria se ao invés dos pais fazerem almoço para seus filhos isso se invertesse?

Parece uma coisa que só aconteceria em um mundo distante, mas não é tão complicado assim.

No mundo em que a obesidade está cada dia mais presente nas famílias do mundo inteiro, inclusive no público infantil, é possível perceber que cada vez menos as pessoas estão comendo em casa, sempre optando por alimentos industrializados com altos teores de sódio, açúcar e gorduras. Por conta disso, é essencial ensinar às crianças como se alimentar de maneira saudável, já que elas estão em período de consolidação de hábitos que vão levar para toda a vida.

Já se sabe que as crianças aprendem muito mais sobre algum assunto quando estão envolvidas no processo, então, porque não ensiná-las sobre uma alimentação saudável e feita em casa colocando as mãozinhas delas na massa?

Oficinas culinárias com crianças são muito utilizadas para esses fins, com crianças a partir de 2 anos, desde que seja com supervisão constante. Com crianças a partir de 10 anos, já é possível dar maior autonomia para cozinhar sozinho uma refeição inteira.

Quer começar a ensinar seus filhos a cozinhar? O site The Globe And Mail mostra um plano de 5 semanas para que eles estejam preparando refeições:

Semana 1: Nessa semana, você deve ensinar o básico, como as maneiras corretas de pegar e

manusear uma faca. Comece com facas pequenas, de serra e sem ponta, por exemplo. É a hora também de ensinar que o que sai do fogão e do forno está quente, que o cabo pode queimar e o vapor de água que sai da panela também. Ensine-os a usar copos de medidas e a como ler e entender uma receita. É importante também ensiná-los a limpar toda a bagunça quando terminar.

Semana 2: A partir daqui, você já pode permitir que eles cozinhem as pequenas refeições sozinhos, com a sua ajuda. Se programe para estar por perto nos primeiros dias, além de ter em sua casa tudo o que for necessário para fazer a receita que eles quiserem. Já é possível fazer um pão para lanchar!

Semana 3: Nessa semana já é possível permitir que eles façam preparações de jantar, por exemplo, contanto que seja fácil e com baixa margem de erros. Uma boa pedida é sopa. Deixe que as crianças piquem os vegetais que forem ser utilizados!


Semana 4: Nessa fase é possível ensiná-los a fazer molhos (molho de tomate caseiro, por exemplo) e deixar que ele lidere a cozinha, com você somente o auxiliando.

Semana 5: Na última semana, se tudo for feito com muito carinho e dedicação, as crianças já vão estar aptas a cozinhar uma refeição simples sozinhos.

 

Tenha em mente que eles podem errar, e devem aprender com seus erros. Dê preferência para alimentos que sejam da sua cultura, de forma a familiarizá-los com esses alimentos, além de reduzir custos.

Se quiser receitas fáceis de preparar com seus filhos, o site Nutrition Action (em inglês) vende um livro de receitas saudáveis para cozinhar com crianças, que pode te inspirar a fazer muito mais! 

Que tal cumprir a nossa nova missão do Missiorama com a criançada e ainda se deliciar com as receitas do nosso livro "Mais que receitas"?

Mãos à massa!


 



postado por Ideias na Mesa em Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014


O ciclo de comemorações de aniversário do Ideias na Mesa se encerra com um presente muito especial: o livro colaborativo Mais que Receitas, resultado da contribuição de internautas que partilharam não só receitas, mas as histórias de pratos que marcaram a vida de suas famílias.  A publicação, que pode ser acessada aqui, reúne 48 receitas, algumas guardadas por gerações. Entre elas, Mojica de Peixe, Cuscuz, Abobrinha Recheada, Caldo de Aipim, molhos, massas e doces.

Alguns dos quesitos para a escolha dos pratos foram custo, simplicidade, combinação e uso de ingredientes orgânicos, agroecológicos e in natura. Ao folhear o livro, o leitor vai encontrar receitas distribuídas por categorias, de acordo com a preparação, além de uma indicação de frequência de consumo dentro das recomendações para uma alimentação saudável, variada e equilibrada.

As receitas que possuem etiquetas Refeição da família, por exemplo, podem fazer parte da rotina alimentar da casa. Já as receitas com a indicação Fim de Semana são mais energéticas, portanto, indicadas para um consumo esporádico, quando um amigo ou parente chegar para um lanche ou almoço. 

Uma outra informação importante nas receitas é voltada para as pessoas que possuem restrições alimentares, intolerância ou alergias a certos ingredientes, como glúten, leite e ovos. Se esse for o caso, basta que o leitor procure as etiquetas Sem glúten, Sem leite ou Sem ovos.
 
Esperamos que este seja apenas o primeiro de uma série de livros onde possamos compartilhar conhecimentos, histórias e experiências. Aproveite as festas para mergulhar na culinária brasileira! Chame os amigos e famíliares e comece e desfrute dessas delícias!

 

 

Serviço

Publicação: Mais que Receitas
Número de páginas: 171
Edição: Rede Ideias na Mesa
Disponível na biblioteca do Ideias na Mesa



postado por Lucas Ferreira em Terça-feira, 18 de Novembro de 2014

Conhecer alimentos regionais é o primeiro passo para valorizar a cultura alimentar local. Por isso, apresentar preparações com frutas e hortaliças regionais nas escolas pode fazer toda a diferença no desenvolvimento de hábitos alimentares saudáveis. 

gilr eats

A prefeitura municipal de Santo Antônio do Palma, no Rio Grande do Sul, realizou uma experiência com mais de 600 alunos e várias merendeiras para motivar os alunos a consumirem frutas abundantes no local, como o pinhão.

pinhão

Os alunos foram ensinados a respeito dos benefícios dos alimentos regionais com palestras, ilustrações e exposições dos ingredientes usados para fazer preparações típicas. Além disso, fizeram testes de aceitabilidade com o Bolo de Pinhão, mostrando que não é necessário usar a fruta somente in natura para valorizar a cultura local.

Conheça mais da experiência acessando o relato da Prefeitura! 

Você no Ideias na Mesa!   

Todas as segundas-feiras uma experiência publicada na rede é divulgada aqui no blog! Queremos valorizar ainda mais as experiências de Educação Alimentar e Nutricional que acontecem em todos os lugares do país. Assim como a Prefeitura municipal de Santo Antônio do Palma, você também pode ter sua experiência divulgada aqui no Blog. Cadastre suas experiências de EAN e compartilhe com outros usuários suas vivências, ideias e desafios. Vamos fortalecer e qualificar nossas ações pelo Brasil!

Mais informações: ideiasnamesa@unb.br



Go to page:
Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui