Ideias na Mesa - Blog


Posts Relacionados com a(tag):Biblioteca do Ideias

postado por Lucas Ferreira em Quarta-feira, 29 de Outubro de 2014

A alimentação oferecida nas escolas possui vários fatores que contribuem para a melhora dos hábitos alimentares. Um deles é a obrigação do uso dos recursos do FNDE (Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação) para compra de alimentos provenientes da agricultura familiar. 

Por meio da Lei nº 11.947/2009, do total dos recursos repassados pelo FNDE para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), no mínimo 30% deve ser comprado em gêneros alimentícios da agricultura familiar, sem intermediários e dispensando o processo licitatório. 

Além de contribuir para a saúde das crianças, o projeto aumenta o incentivo à agricultura familiar e auxilia na melhora das condições de vida da população que depende da produção local de alimentos. 

agric varias

A escolha dos fornecedores e a produção dos cardápios ficou sob responsabilidade dos nutricionistas, o que valoriza a profissão e permite o melhor aproveitamento dos recursos para disponibilizar alimentação de qualidade para nossas ciranças.

Para explicar como funciona a compra e seleção dos fornecedores, o Ministério do Desenvolvimento Agrário possui a cartilha "O encontro da Agricultura Familiar com a Alimentação Escolar", que você pode ver na íntegra aqui, na Biblioteca do Ideias.

pagina da cartilha



postado por Lucas Ferreira em Quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

Amanhã é o dia Mundial da Alimentação!

Para comemorar, selecionamos na nossa biblioteca arquivos sobre o tema escolhido pela FAO este ano: Agricultura Familiar - Alimentando o mundo, cuidando do Planeta.

Confira os arquivos:

"Pequenas Fazendas: Status Atual e Tendências" (em inglês)

agr verde

Este artigo analisou a atuação e estabelecimento de fazendas de agricultura familiar no mundo inteiro, trazendo muitos fatores para classificação das pequenas fazendas. O artigo é muito interessante para reafirmar a viabilidade desse meio de produção, uma vez que compara também a contribuição econômica da agricultura familiar para vários países com a contribuição proveniente de latifúndios. Acesse o artigo na íntegra! (em inglês)

Engenhos da Cultura: teias agroecológicas

agroec

O desenvolvimento de práticas agroecológicas permeia as comunidades baseadas na agricultura familiar. Nos engenhos de farinha de Santa Catarina, a população é parte do desenvolvimento da padronização e registro das técnicas que permitem a produção de um alimento tão característico quanto a farinha de mandioca catarinense. O livro ressalta a importância cultural e educacional do produto preparado nos engenhos de farinha, que vai além da importância econômica. Confira aqui

"Agricultura Familiar - Cadeias Produtivas"

Fechando os nossos destaques, temos um vídeo que deixa claro que a agricultura familiar não é um peso para a economia e nem para os governos. A produtividade, o papel na diminuição da pobreza e os empregos gerados na terra de quem produz em pequena escala são grandes benefícios para o país. Por meio de cooperativas, os agricultores conseguem passar adiante produtos saudáveis e de baixo custo para toda a população. Assista ao vídeo e saiba mais!

Acesse a nossa biblioteca e fique por dentro de todas as publicações sobre a Agricultura Familiar! Se você quiser, também pode contribuir enviando arquivos para o nosso e-mail. Faça parte da nossa equipe!



postado por Ana Maria Thomaz Maya Martins em Quarta-feira, 08 de Outubro de 2014

A Atenção Básica à Saúde pode estimular mudanças de estilo de vida, minimizando a morbimortalidade por doenças crônicas não transmissíveis e seu impacto na saúde pública. O diabetes mellitus e a hipertensão arterial estão entre os fatores de risco modificáveis para as doenças cardiovasculares e que podem ser controladas e prevenidas através de intervenções na Atenção Básica à Saúde. 

Com o objetivo de analisar o processo educativo com ênfase na educação alimentar e nutricional para pessoas com diabetes mellitus e hipertensão arterial, no âmbito da Atenção Básica à Saúde, foi realizado um estudo analítico-descritivo de natureza qualitativa. Esse estudo contou com a participação de profissionais de saúde e pessoas com diabetes mellitus e/ou hipertensão arterial, acompanhadas em Unidade de Estratégia de Saúde da Família do município de Vitória- ES.

artigo

A coleta de depoimentos por meio de entrevistas semiestruturadas permitiu a construção do estudo. Também foi aplicada a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo para a análise das percepções sobre os espaços, os sujeitos, os resultados e os desafios das ações educativas na promoção de práticas de vida e alimentares adequadas. As ideias centrais destacadas no material discursivo foram utilizadas como substrato para a qualificação dessas ações, num processo compartilhado com os profissionais de saúde, em que se empregou a técnica dos grupos focais.

Ao fim desse estudo se percebeu que "as ações educativas para capacitação de pessoas com diabetes mellitus e hipertensão arterial, no âmbito da Atenção Básica à Saúde, estão ainda estruturadas no modelo assistencial hegemônico, de abordagem predominantemente higienista, que culpabiliza as pessoas por seus problemas de saúde e que desconsidera a participação da comunidade nos processos educativos a ela dirigidos". 

UBS

E você que trabalha na Atenção Básica à Saúde, como tem sido a sua vivência? E os seus resultados com a promoção da saúde e a prevenção das Doenças Crônicas Não Transmissíveis? A sua realidade é semelhnte a encontrada no artigo?

Que tal se insprirar nas experiências do Ideias para aprimorar suas ações na Atenção Básica à Saúde? 

Para ler o artigo na íntegra acesse: http://www.ideiasnamesa.unb.br/index.php?r=bibliotecaIdeias/view&id=256



postado por Ana Maria Thomaz Maya Martins em Quarta-feira, 01 de Outubro de 2014

Você já se perguntou de onde vem todas as coisas que compramos e pra onde elas vão quando nos desfazemos delas?

Muitas pessoas acham que esse processo, conhecido como economia de materiais, acontece de forma linear e simples na seguinte lógica: extração, produção, distribuição, consumo e tratamento de lixo. Mas hoje o nosso post do blog mostra que ele não é tão simples assim.

processo

O documentário “História das coisas” revela as conexões entre os diversos problemas ambientais e sociais presentes nas etapas do atual sistema de produção, alertando sobre a importância de pensarmos em um processo mais sustentável e justo. O vídeo dura 20 minutos e apresenta o que está escondido por trás dos nossos padrões de consumo.

coisas

Sabe-se que após a segunda Guerra Mundial foram estudadas formas de se impulsionar a economia e o vídeo destaca que o consumo foi visto como uma solução: “a nossa enorme economia produtiva exige que façamos do consumo a nossa forma de vida, que transformemos a compra e uso de bens em rituais, que procuremos a nossa satisfação espiritual no nosso ego do consumo... precisamos que as coisas sejam consumidas, destruídas, substituídas e descartadas em uma velocidade cada vez maior”. Mas, esse consumo exarcebado gera grandes impactos ambientais, sociais, culturais e econômicos e uma grande crise no sistema!

compras

Ficou curioso para saber mais sobre as discussões trazidas nesse vídeo? Acesse: http://www.ideiasnamesa.unb.br/index.php?r=bibliotecaIdeias/view&id=227



postado por Ana Maria Thomaz Maya Martins em Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

                                   Contos

O ambiente escolar oferece várias oportunidades para educação em saúde, pois propicia situações de aprendizagem para um amplo setor da população. Tais ações se iniciam desde a entrada das crianças na escola e perduram por todos os anos acadêmicos, garantindo o tempo e a intensidade necessários para as intervenções. Além disso, as ações na escola ainda permitem a articulação com a família e a comunidade.

branca de neveEm termos de EAN, crianças em idade pré e escolar se caracterizam como um grande desafio, pois é necessário que sejam adotados estratégias e materiais que captem seu interesse, estimulem a participação e a aquisição de conhecimento.

Pensando nisso, o objetivo do texto é refletir sobre as possibilidades do uso de histórias infantis, em particular dos contos tradicionais, como instrumento de EAN para pré e escolares.

No acervo de histórias infantis tradicionais, são encontradas várias situações relacionadas à alimentação que podem ser exploradas no ambiente escolar. A presença do alimento nas histórias é comum, pois representa o cotidiano. Pensando na representação de alimentos e da comensalidade, é possível recordar inúmeras histórias tradicionais - a cesta de piquenique de Chapeuzinho Vermelho; o mingau dos três ursos, apreciado por Cachinhos Dourados; a casa de guloseimas, encontrada por João e Maria, e os banquetes nos finais felizes das princesas.

chapeuzinho vermelho

Em estudo norte-americano, 114 livros de histórias infantis foram avaliados com o objetivo de identificarem a presença e o tipo de mensagens sobre alimentos. Os resultados mostraram que 45% dos livros faziam, pelo menos, uma menção sobre alimentos, enquanto 13%, cinco menções. A maioria delas pôde ser classificada segundo os grupos de alimentos da pirâmide alimentar, sendo que o mais mencionado foi o grupo dos grãos (21%), seguido das frutas (20%). Mensagens positivas, relacionando a alimentação com "divertimento, saúde, sabor e sinal de status econômico", foram mais frequentes (77%) do que mensagens negativas, tais como "engordam, não gosto, não está fresco, não saudável" (11,5%).

         Dessa forma, os contos de fada tradicionais podem ser ferramentas simples que permitem que pais, educadores e nutricionistas explorem inúmeros conceitos sobre alimentação e nutrição de forma lúdica e integrando diversas áreas do conhecimento. 

Para ter acesso ao artigo na íntegra acesse: http://ideiasnamesa.unb.br/index.php?r=bibliotecaIdeias/view&id=194



postado por Lucas Ferreira em Quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

Os processos de elaboração de Educação Nutricional não podem ficar presos a uma área de conhecimento, uma vez que somente os nutricionistas não tem o conhecimento de todas as implicações de um projeto que integra várias mídias ou tipos de intervenção. foto prato

Na elaboração de softwares para EAN, por exemplo, aplicativos de computador ou celular, são necessários profissonais de diversas áreas para elaborar e avaliar a interatividade, impacto e efetividade do conteúdo. Um programa mal elaborado não é usado com facilidade e não é atrativo para as pessoas.

Por esse motivo, os autores desse artigo contaram com a participação de designers e programadores para elaborar um projeto simples e também uma técnica de elaboração de aplicativos para educação de adultos em basicamente qualquer área. Por meio de uma das teorias do Design Instrucional (ou Engenharia Pedagógica).

Apesar de parecerem termos complexos, eles são essenciais para a elaboração de projetos para o ensino, e na verdade simplificam o processo de desenvolvimento de softwares por meio de reavaliação dos objetivos durante a criação.

Confira o artigo completo na nossa biblioteca (em inglês), e aprenda mais sobre o processo de criação para EAN!


 



postado por Lucas Ferreira em Quarta-feira, 13 de Agosto de 2014

Hoje na Biblioteca vamos destacar algumas publicações sobre o desperdício de alimentos e o lixo gerado no mundo. É importante nunca parar de pensar no assunto, pois novas iniciativas devem ser implementadas constantemente para reaproveitar ou diminuir a quantidade de lixo produzido.

Confira o que temos em nossa biblioteca:

Compostagem

A compostagem é a produção de adubo a partir de matéria orgânica. Você pode fazer isso em casa, reduzindo o lixo que descarta e o reaproveitando. Isso pode te ajudar a fazer uma horta orgânica a partir de cascas de frutas, restos de vegetais e até mesmo papel.

Confira: http://goo.gl/9Z4vXk

 

 

 

 

 

 

Ilha das Flores

Em um documentário que define o conceito de ser humano e até mesmo de liberdade, Ilha das Flores é um apelo à reflexão sobre o valor das pessoas. Com o foco em uma região de Porto Alegre, onde o lixo da cidade é descartado e armazenado, o curta passa por todos os estágios da alimentação, desde o plantio até a decomposição dos restos. A linguagem é quase científica, mas ainda assim, convida à mudança de atitude em relação ao que é jogado fora.

O documentário está disponível aqui: http://goo.gl/6duSzG 

 

 

 

 

FAO desperdicio

Esta publicação da FAO traz importantes informações sobre desperdício na cadeia de produção de alimentos por meio da construção de gráficos informativos de várias categorias, como cereais, peixes, oleaginosas e frutas. Com a descrição do desperdício em cada etapa da produção, o artigo traz muito mais do que informações estatísticas, mas a avaliação das principais causas e possíveis soluções para redução do descarte de alimentos ainda em condição adequada para o consumo.

A publicação na íntegra pode ser acessada neste link: http://goo.gl/UOR1l2

Gostou do tema? Tem muito mais artigos de onde esses vieram! É só visitar a Biblioteca do Ideias. E se tiver uma sugestão de tema, não deixe de nos enviar!




postado por Ideias na Mesa em Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2014

dhaaurbano “O Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA) é compreendido em duas dimensões: estar livre da fome da desnutrição e ter acesso a uma alimentação adequada”.

A coluna "Biblioteca do Ideias" trará para você, toda semana, uma sugestão de artigo, vídeo ou publicação da nossa biblioteca para aprofundar seus conhecimentos!  Já que estamos falando de Direito Humano à Alimentação Adequada, essa semana trouxemos um artigo que discute este assunto com um foco no ambiente urbano.

Debater o tema do DHAA em um contexto urbano, onde a aquisição de alimentos é feita prioritariamente por relações mercantis, é um grande desafio, principalmente no que diz respeito aos bairros empobrecidos. É disso que trata o artigo “Direito Humano à Alimentação Adequada: Um Olhar Urbano”, que foi publicado em 2010 na Revista Ciência & Saúde Coletiva. Este estudo apresenta reflexões realizadas a partir de um estudo qualitativo em um município empobrecido do Rio de Janeiro. 

Acesse aqui o artigo da Biblioteca do Ideias na Mesa e também não deixe de conferir o nosso primeiro curso de autoaprendizagem a distância: Educação Alimentar e Nutricional: uma estratégia para a promoção do Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA). 



postado por Marina Morais Santos em Quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2014

A partir de hoje, artigos, cursos, publicações, vídeos e fotos relacionados à temática de Educação Alimentar e Nutricional farão parte da Biblioteca do Ideias na Mesa.   

A Rede ganhou um novo sistema de armazenamento de informações que permite ampliar e organizar um grande acervo de documentos destinados à reflexão e orientação das práticas de EAN.

Vale a pena conferir aqui

Toda semana, no nosso blog, vamos destacar uma publicação, artigo ou vídeo da Biblioteca como sugestão de leitura. Hoje, escolhemos materiais sobre o Direito Humano à Alimentação Adequada, tema que será abordado no primeiro curso da rede a ser lançado em breve

SAN DHAA

“A Segurança Alimentar e Nutricional e o uso da abordagem de direitos humanos no desenho das políticas públicas para combater a fome e a pobreza é o nosso artigo em destaque e trata das diversas dimensões do conceito de Segurança Alimentar e como ele se inter-relaciona com o Direito Humano à Alimentação Adequada, enfatizando a importância da utilização da abordagem de direitos humanos no desenho das políticas públicas para combate à fome e pobreza no Brasil.

 

Peraí

O vídeo destaque, “Peraí, é nosso direito, conta a história de duas comunidades que se organizaram para lutar por seus direitos: Sururu de Capote (Maceió-AL) e Vila Santo Afonso (Teresina-PI). Especialistas, moradores das comunidades e militantes de direitos humanos debatem conceitos e a realidade da luta para a garantia e efetivação dos direitos humanos no Brasil, em especial, o Direito Humano à Alimentação Adequada.

 

Sisan

“O Direito Humano à Alimentação Adequada e o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional” , realizado pela ABRANDH em parceria com o MDS, é a nossa escolha destaque dentre as publicações. Ela apresenta os conteúdos do curso de formação à distancia sobre o Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA) e o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e pretende estimular o processo de imersão nos conceitos e dimensões dos direitos humanos e promover conhecimento sobre marcos legais que protegem o DHAA.

A nova página será atualizada periodicamente pela equipe.

Se você possui algum arquivo sobre Educação Alimentar e Nutricional, envie para o nosso e-mail: ideiasnamesa@unb.br, quanto mais materiais e arquivos recebermos, maior será a biblioteca destinada às ações de EAN no Brasil! 

 



Go to page:
Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui