Ideias na Mesa - Blog


postado por Marina Morais Santos em Quinta-feira, 16 de Março de 2017

Brie, parmesão, gouda, gorgonzola, camembert... Os queijos internacionais estão frequentemente presentes na mesa do brasileiro, especialmente em ocasiões especiais e dias de festa, quando queremos comemorar e comer bem. Quando o assunto é os queijos brasileiros, poucas são as variedades conhecidas e, aquelas que são consumidas, geralmente fazem parte das refeições do dia a dia. O queijo minas, o queijo coalho e o requeijão são os mais famosos e são geralmente comidos no pão ou com doces pastosos conforme o nosso costume dita. O universo dos queijos artesanais brasileiros é, no entanto, amplo e recheado de deliciosos e aromáticos tesouros! São dezenas de tipos de queijo artesanais diferentes que fazem parte da bagagem cultural de vários territórios do nosso País. 

Leia também: Queijos artesanais agregam valor com Indicação Geográfica

Os queijos artesanais brasileiros são fabricados a partir de receitas tradicionais, passadas de pais para filhos, mas não é esse o único fator que difere os nossos maravilhosos queijos uns dos outros. A textura, aroma e sabor do queijos dependem também da origem do leite, da alimentação do animal produtor do leite, da quantidade de matéria gordurosa, do tempo de "cura" ou fermentação, do tipo de acabamento e até das condições climáticas do local onde é produzido. Essas variáveis nunca são iguais de uma região para outras e, por isso, obtemos queijos diferentes em cada região com características próprias e singulares.

Leia também: [Comida na Tela] O Mineiro e o Queijo

De toda a imensa variedade de queijos deliciosos que temos como nosso patrimônio, separamos 10 queijos brasileiros incríveis para você conhecer e provar na próxima oportunidade! Já passou da hora de valorizarmos mais os nossos queijos, não é? 

Queijo Canastra

Um dos mais famosos queijos artesanais brasileiros, o queijo Canastra é um produto artesanal tradicional e referência do modo de ser e viver dos habitantes da Serra da Canastra, em Minas Gerais. O modo de fazer artesanal desse queijo, assim como os de Salitre e do Serro, também em Minas, já se tornou Patrimônio Imaterial Brasileiro, sendo registrados no Livro de Registro de Saberes em 2008.

Leite: leite de vaca cru.

Textura: consistência semidura com tendência macia, amanteigada e compacta.

Maturação: cerca de 21 dias.

Sabor: ligeiramete ácido, não picante e agradável. 

Parmesão da Mantiqueira

Esse queijo de cor amarelo-palha com crosta lisa e untuosa é produzido na região da Serra da Mantiqueira, por volta de mil metros de altitude, no estado de Minas Gerais, ao longo das divisas com os estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Leite: leite de vaca cru.

Textura: compacta, amarelo-clara, com presença frequente de olhaduras. 

Maturação: mínimo de 40 dias.

Sabor: salgado acentuado e aroma de leite e gordura acentuados com a maturação, sabor potente e picante..

Queijo Serrano

Um dos queijos mais antigos do Brasil, sua fabricação provavelmente se iniciou junto com a povoação dos Campos de Cima da Serra do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, a partir da 1ª metade do século XVIII, quando portugueses da Ilha dos Açores que migraram para a região “subiram a serra”.

Leite: leite de vaca cru.

Textura: massa semidura, baixa umidade e textura levemente amanteigada.

Maturação: cerca de 60 dias.

Sabor: sabor intenso e forte aroma de azeitona.

Queijo de Manteiga de Seridó 

Existem vários queijos de manteiga espalhados pelo Brasil, mas eles não são iguais ao queijo de manteiga tradicional de Seridó! Atualmente, os produtores deste queijo buscam um selo de indicação geográfica da produção regional, para fortalecer a marca com base na valorização de aspectos tradicionais e culturais da região.

Leite: leite de vaca cru.

Textura: é fechada, semi-friável, com pequenos orifícios mecânicos contendo gordura líquida no seu interior. 

Sabor: sabor é pouco acentuado, lembrando manteiga (a massa leva manteiga de garrafa), levemente ácido, podendo ser salgado e de cor amarelo-palha.  

Queijo Cabacinha

De origem italiana, o Cáccio Cavalo era o queijo feito inicialmente com leite de jumenta e consistia em um dos principais alimentos para o povo nômade. O nome é resultado do processo de secagem: os queijos são amarrados aos pares por um barbante e pendurados numa vara de madeira "a cavallo" para secar. No Vale do Jequitinhonha, no entanto, o queijo recebeu o nome de cabacinha.

Leite: leite de vaca cru.

Textura: A casca é oleosa e lisa, o interior é de pasta filada (como a mozzarela)

Sabor: aroma é intenso e prolongado, e o paladar é cheio, mas rico e delicado.

Queijo de Marajó

A tradição do queijo de Marajó (PA), produzido por fazendeiros portugueses e franceses, já tem séculos! No início era feito com leite de vacaa, mas com o tempo, passou a ser produzido com leite de búfula. 

Leite: leite de búfula cru.

Textura: textura que lembra um requeijão de corte ou bem cremoso e elástico (existem dois tipos: o creme e o manteiga). 

Sabor: leve com um sabor acentuado de leite. 

Maturação: cerca de 28 dias.



Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui