Ideias na Mesa - Blog


postado por Ana Maria Thomaz Maya Martins em Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2017

O [Você no Ideias] de hoje apresenta uma experiência realizada por uma equipe de residentes em Saúde da Família da Universidade Federal do Paraná, que problematizou a produção de alimentos com participantes de um Centro de Convivência, a partir dos conceitos de Soberania Alimentar e Segurança Alimentar e Nutricional. O objetivo dessa equipe foi estimular a proteção da cultura alimentar, criando ações que viabilizem a troca das sementes crioulas entre guardiões e guardiãs e identificando origens, saberes do cultivo e preparações culinárias.

O grupo de residentes aproveitou a horta do Centro e realizou dois encontros.

Para partilhar e construir conhecimento, o grupo de residentes formou uma “roda de conversa“, partindo-se do pressuposto que cada pessoa traz consigo conhecimentos que podem ser compartilhados, aprofundados e por fim aplicados com base nas suas demandas.

Em um primeiro momento, as participantes relataram experiências anteriores com o cultivo de alimentos, incluindo conhecimentos relacionados ao uso de agrotóxicos e possíveis malefícios, prevenção e controle natural de “pragas”, diversidades dos vegetais cultivados e a propagação de sementes. A fim de desconstruir a concepção benéfica sobre o uso dos agrotóxicos e possibilitar novas práticas e soluções nos seus cotidianos, foi entregue ao grupo um compilado de receitas caseiras de caldos com ingredientes naturais, como alho, pimenta e cinzas de lenha e carvão, para aplicar nas plantas e prevenir doenças.

Em vários relatos foi perceptível sentimentos e sensações que afloraram as lembranças, gerando um “saudosismo coletivo”, já que muitas pessoas afirmaram gostar da época que moravam em sítios, chácaras ou fazendas e, hoje, percebem que os alimentos plantados e colhidos por eles tinham excelente sabor.

O grupo lamentou a vinda para a cidade, que, na maioria dos casos, foi decorrente da compra da área daquela família por empresários e grandes fazendeiros.

O grupo de residentes percebeu o entusiasmo com a temática e propôs a realização de uma feira para troca de sementes crioulas e de mudas de plantas diversas.

A “Feira da mãe Terra para a troca de saberes, sementes e mudas” contou com as seguintes sementes levadas pelas participantes do Centro:

- fava olho de cabra preta,

- fava branca,

- camapu,

- quiabo,

- feijão guandu,

- melão São Caetano,

- café,

- abóbora moranga,

- endro.

Entre as mudas se observou: café, alecrim, citronela, arruda, cebola, coqueiro”.

A maioria das variedades citadas foi colhida pelas participantes em seu próprio quintal.

Muitas das sementes que foram trocadas e partilhadas na Feira foram levadas pelas residentes que conseguiram o máximo de variedades, fazendo contato com amigos, familiares e agricultores.

E ao fim dessas atividades é sempre gratificante perceber o feedback de participantes que percebem mais uma forma de autocuidado e de cuidar do mundo a sua volta. O grupo de residentes percebeu a importância de não limitarem suas ações na prática clínica com ações curativas, mas extrapolarem e começarem a promover saúde.  



Em 2017 vamos continuar valorizando as experiências de Educação Alimentar e Nutricional cadastradas na rede. Assim como a Veridiane Sirota, você pode ter a oportunidade divulgar uma experiência aqui no Blog. Cadastre suas experiências de EAN e compartilhe com outros usuários suas vivências, ideias e desafios. Vamos fortalecer e qualificar nossas ações pelo Brasil! 



Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui