Ideias na Mesa - Blog


Posts Relacionados com a(tag):Frutas

postado por Isadora Dias Nunes de Sena em Quarta-feira, 09 de Novembro de 2016

As frutas tropicais nem sempre são apreciadas por pessoas de outras nacionalidades pela falta de hábito de consumo ou por não serem tão facilmente encontradas no mercado externo. E quando as encontram, os estrangeiros normalmente não sabem como consumi-las. Diante desse cenário, o [Biblioteca do Ideias] de hoje traz um livro que reuniu algumas frutas tropicais produzidas e consumidas no Brasil, cujas  formas de consumo podem ser consideradas diferenciadas.

O Brasil possui uma grande diversidade de frutas tropicais nativas e exóticas, ou seja, importadas de outros climas tropicais e adaptadas ao nosso ecossistema. "Para os estrangeiros, as fotografias das frutas presentes no livro passam a ser fundamentais, já que muitas são totalmente desconhecidas para eles", afirma o engenheiro da Embrapa, Marcos Maia, autor das fotos.

O conteúdo da publicação traz informações gerais sobre as frutas com enfoque no consumo. "É possível consumir as frutas com casca, inteira, com ou sem semente, com ou sem auxílio de talheres. E há, ainda, aquelas que só podem ser consumidas após processadas, na forma de suco, sorvete ou geleia, por exemplo.", conta a pesquisadora Virgínia da Matta, uma das autoras da publicação.

Produzido pela equipe da Embrapa Agroindústria de Alimentos e lançado na Feira Rio Alimentação Sustentável, durante as Olimpíadas no Rio de Janeiro, neste pequeno guia os textos são também em inglês e espanhol, ilustrados com fotografias das frutas selecionadas. Assim, espera-se que a publicação forneça aos leitores informações úteis que os ajudem a usufruir mais e melhor deste fantástico universo das frutas tropicais.

Veja a publicação na nossa biblioteca e se delicie com as frutas típicas do nosso país.



postado por Rafael Rioja Arantes em Quinta-feira, 04 de Agosto de 2016

Alimentos transgênicos representam o modelo de produção em larga escala com amplo emprego de tecnologias genéticas, fertilizantes químicos e agrotóxicos. São pouco familiares para alguns, trazem dúvidas para vários, mas um ponto é fato, a maioria de nós os consome com considerável frequência até mesmo sem imaginar.

Em um trabalho para o Jornal Ligature, os fotógrafos Enrico Becker e Matt Harris apresentaram sua ótica interpretando frutas transgênicas sob a perspectiva da arte. As cores naturais de cascas e interiores dão lugar a tons pastéis monocromáticos, que apesar de visualmente interessantes, promovem um distanciamento daquilo que seriam as frutas in natura. Os artistas brincam também com a propriedade das frutas inserindo um código de barras em todas elas, da forma que a partir do momento em que são geneticamente modificadas, elas passam a ser propriedade de alguma empresa, e não mais livremente pertencentes ao espaço natural.         

Soja e milho são os carros chefe da produção transgênica e o Brasil é o segundo maior produtor destes grãos no mundo. Cientistas, grupos de pesquisas e empresas multinacionais vivem em uma guerra de braço constante sobre o tema. De um lado, os que tentam a todo custo afirmar que eles são seguros e portanto sua produção deve continuar a todo vapor, e do outro, os que apontam os riscos à saúde e os incontáveis agravos socioambientais. Enquanto isso, nós, os consumidores, estamos cada vez mais expostos a esses alimentos.

Não é apenas quando comemos uma espiga de milho, ou alguma preparação com soja – se não forem orgânicos ou agroecológicos é praticamente certo que são transgênicos – que estamos ingerindo estes alimentos, mas a grande maioria dos produtos industrializados utilizam milho e a soja como matéria prima barata de base. Fécula de milho, bolos pré-preparados, fermento biológico, biscoitos e salgados, e tantos outros, além é claro, dos produtos mais óbvios como óleo e leite de soja, e milho em conserva por exemplo.           

A série de fotografias com frutas alteradas nos permite visualmente problematizar a questão da transgenia tanto do ponto de vista da naturalidade dos alimentos quanto da transformação dos mesmos em mercadoria e propriedade. 

Para conferir mais imagens acesse o link.


 

 



postado por Maína Pereira em Quinta-feira, 10 de Março de 2016

O ato de comer merece não apenas um tempo de qualidade, como também ótimas companhias e um ambiente agradável e convidativo.

Além da partilha de receitas deliciosas, uma decoração com flores ou velas criam um clima mais alegre e aconchegante à mesa.

E quando a mesa não tem só arranjos de flores, mas vasos lindos e comestíveis?

Essa é a proposta do artista Danling Xiao, criador da série de arranjos em vasos de frutas e vegetais. Para ele “a própria natureza já é uma artista”. Em seu trabalho, ele declara tentar manter os materiais em suas formas originais, a fim de preservar sua beleza natural. São curiosas criações de ingredientes naturais que já possuem capacidade de se comportar como vasos. Assim feito, tem-se alimentos transformados em recipientes funcionais, práticos e lindos!

Segundo o artista, a beleza dessas obras é para derreter na boca. “Seria um desperdício apenas contemplá-los. ”

 

vaso comestivel

 

vaso comestivel 2

 

vaso comestivel 2

 

 

 

Fonte: Design Boom



postado por Maína Pereira em Segunda-feira, 09 de Março de 2015

Uma equipe do curso de Nutrição da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul desenvolveu projeto no Centro de Educação Infantil de Campo Grande após observar e identificar no local a necessidade de implementar atividades educativas que visem a valorização de alimentos disponibilizados pelo Programa Municipal de Alimentação Escolar.

As ações desenvolvidas foram direcionadas para crianças de 3-4 anos e consistiam na elaboração de um livro de receitas. Todas as receitas foram preparadas pelas merendeiras do centro de ensino para possibilitar reprodução posterior no ambiente escolar.

Nos encontros com as crianças foram feitas a apresentação das receitas do dia e de sua importância nutricional, pinturas de desenhos das receitas e outras atividades lúdicas.

Você pode conhecer mais desta experiência aqui!

 

       

 


Você no Ideias na Mesa!      

Em 2015 queremos valorizar ainda mais as experiências de Educação Alimentar e Nutricional cadastradas na rede. Assim como a Lídia Viegas, você pode ter a oportunidade de ter sua experiência divulgada aqui no Blog. Cadastre suas experiências de EAN e compartilhe com outros usuários suas vivências, ideias e desafios. Vamos fortalecer e qualificar nossas ações pelo Brasil!

Mais informações: ideiasnamesa@unb.br



postado por Maína Pereira em Segunda-feira, 09 de Fevereiro de 2015

Um livro ilustrado que teve seu enredo criado de forma colaborativa com crianças de uma escola do estado de São Paulo foi uma das várias ações realizadas no Projeto Grão – um projeto de mestrado profissional desenvolvido por uma psicóloga que teve como foco a alimentação saudável e sustentável.

O objetivo principal da experiência era aumentar o consumo de frutas e hortaliças em crianças de 6 e 7 anos. Em uma abordagem lúdica, o projeto contou com a leitura do livro “A Horta de Grão” com a proposta de que as próprias crianças montassem o enredo pela observação das ilustrações. Você pode conferir a história criada aqui!

Além do livro, a experiência também consistiu na construção e manutenção de uma horta escolar, entre outras atividades.

Conheça o livro:

 

 

Você também pode ler mais detalhes sobre o Projeto Grão acessando a página de publicação dessa experiência aqui!


Você no Ideias na Mesa!      

Em 2015 queremos valorizar ainda mais as experiências de Educação Alimentar e Nutricional cadastradas na rede. Assim como a Manoela Moreira, você pode ter a oportunidade de ter sua experiência divulgada aqui no Blog. Cadastre suas experiências de EAN e compartilhe com outros usuários suas vivências, ideias e desafios. Vamos fortalecer e qualificar nossas ações pelo Brasil!

Mais informações: ideiasnamesa@unb.br

 



postado por Lucas Ferreira em Segunda-feira, 04 de Agosto de 2014

Ensinar as crianças a valorizar a produção e a aquisição dos alimentos é essencial para que elas construam atitudes sustentáveis que promovem saúde. Quando bem instruídas, elas se tornam capazes de disseminar pensamentos e melhorar o comportamento da própria família em relação ao alimento.

Circuito Saudável 1

Foi pensando nisso que a Secretaria Municipal do Abastecimento de Curitiba desenvolveu o Circuito da Alimentação Saudável, um projeto de Educação Alimentar e Nutricional que visa colocar as crianças em contato com a produção, compra e preparo dos alimentos.

Nessa experiência, a equipe responsável levou os alunos à uma horta e mostrou como era possível ter a sua própria, dentro da escola ou em casa. Depois, os alunos puderam “comprar”, com dinheiro de brinquedo, os alimentos que considerassem adequados no seu orçamento. Os nutricionistas finalizaram o circuito com uma oficina de receitas saudáveis, que todos puderam experimentar.

 

Os alunos ainda receberam uma cartilha sobre alimentação saudável para levar pra casa, com as receitas preparadas na oficina. O projeto tem sido aplicado em todas as escolas da Rede Municipal desde 2010, com requisições de várias instituições desde então.

Ideia muito legal, não é? Você também pode levar esse projeto para sua escola, adaptando-o à sua cidade. A base do projeto é está nesta foto, e você pode acessar todo o registro aqui.Circuito 2

Só não deixe de compartilhar os resultados com a gente, e mãos à obra! 

Você no Ideias na Mesa!      

Todas as segundas-feiras uma experiência publicada na rede é divulgada aqui no blog! Queremos valorizar ainda mais as experiências de Educação Alimentar e Nutricional que acontecem em todos os lugares do país. Assim como a Secretaria Municipal do Abastecimento de Curitiba, você também pode ter a oportunidade de ter sua experiência divulgada aqui no Blog. Cadastre suas experiências de EAN e compartilhe com outros usuários suas vivências, ideias e desafios. Vamos fortalecer e qualificar nossas ações pelo Brasil!




postado por Lucas Ferreira em Quinta-feira, 31 de Julho de 2014

Se você gosta de música, provavelmente já ouviu falar de intrumentos alternativos, feitos de ossos, bambu, garrafa e sucata. Mas o que você acha de ouvir uma orquestra feita com comida?

Pois é, a gente conhece o sabor, a cor e a aparência da comida, mas quem já se questionou qual o som de uma flauta de cenoura? Ou talvez de um tambor de abóbora? A criatividade de alguns grupos que tocam música com vegetais gerou inúmeros instrumentos. Dá uma olhada nesses, criados e tocados pela The Vegetable Orchestra (A Orquestra de Vegetais):

Instrumentos de vegetais
Essa Orquestra passa pelas feiras locais ao caminho da sua apresentação. Por esse motivo, eles dependem da produção local, e se adaptam aos vegetais de cada país que percorrem em seu tour. Depois de uma apresentação, parte dos instrumentos vira uma sopa da qual os espectadores se servem à vontade. Você pode checar as informações e tirar dúvidas sobre o projeto aqui.
Confira uma música apresentada por eles no último álbum, ONIONNOISE:
 
 
E por que não usar essa ideia em Educação Alimentar Nutricional? O artista plástico Eric Van Osselaer usa esse tipo de intrumento para colocar crianças em contato com os vegetais. Ótima forma de chamar a atenção dos pequeninos para as comidas que eles geralmente deixam de lado. Confira o vídeo do projeto ORGABITS:

Pra quem curte música eletrônica, os vegetais também criam sons impressionantes. O músico j. viewz usou um sintetizador pra tocar Teardrop com uma cenoura, três morangos, duas beringelas, alguns cogumelos e um kiwi. O resultado foi esse:

Outro músico usa vegetais como flautas, ocarinas, trombones e outros instrumentos de sopro. O professor de música Junji Koyama criou um canal no youtube mostrando seus instrumentos feitos a partir de brócolis, cenouras, nabos, e pimentões. 

Koyama também ensina no seu canal a produzir os intrumentos. Infelizmente, as instruções são em japonês, mas coletamos um passo a passo pra que você também possa montar sua banda de comida! Além de serem biodegradáveis, os instrumentos não gastam enegia e podem ser reutilizados. Dá uma olhada no tutorial pra flauta de cenoura (legendas em português), e mãos à obra!

Não esqueça de higienizar bem seus instrumentos e usá-los numa sopa bem nutritiva depois, hein? A campanha #raspeioprato continua! 



postado por Lucas Ferreira em Quarta-feira, 30 de Julho de 2014

Para servir um prato saudável e cheio de boas comidas, dependemos da produção dos Pequenos Agricultores. Prova disso é a análise da produção de alimentos feita pelo IBGE em 2006, que mostrou que quase 50% da produção dos alimentos mais presentes na mesa do brasileiro vem da Agricultura Familiar.

Por esse motivo, em comemoração ao Dia do Agricultor (dia 28 de Julho), a Biblioteca do Ideias colheu algumas publicações para parabenizar essa profissão tão honrada e essencial para a humanidade. Confira os destaques dessa semana:

Começando por esse Vídeo do Escritório Regional da FAO da América Latina e Caribe, que produziu uma animação da nossa comida em seu trajeto do campo até a nossa casa. Você realmente sabe quem é responsável pela chegada dos alimentos na sua mesa? 
  

 

Cultura Agricultores

 
 
E não podemos deixar de lado um importante fator na Agricultura Familiar: A produção para autoconsumo. Essa Publicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul se baseou em estudos sobre os hábitos e a cultura alimentar dos produtores. Como é a visão deles sobre alimentação saudável? Quais são suas influências internacionais? Como a modernização e urbanização afeta os seus conceitos e valores?
 
 
 
  
Agricultores consomem
 
E finalmente, para direcionar ações de EAN, todos os grupos devem ser estudados cuidadosamente. Muitas vezes, fatores geradores de hábitos saudáveis diferem entre as diferentes culturas. Esse artigo da Universidade de Campinas avaliou o consumo de Frutas Legumes e Verduras por agricultores para determinar se o acesso ao alimento saudável garante o consumo ou se esse fator deve ser analisado separadamente.
 
 



postado por Lucas Ferreira em Segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Para realizar ações de EAN com crianças, é necessário entrar em seu universo e usar a linguagem certa para trazer interesse e atraí-las para o conteúdo apresentado. Para isso, existe uma infinidade de recursos disponíveis, que devem ser usados de forma a ajudar os pequenos a levar aquela informação para toda a vida.

Pensando na importância de conhecer e gostar de frutas e hortaliças, a CEAGESP (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) desenvolveu um material com receitas e brincadeiras que ajudam professores a levarem às crianças um novo rosto para os vegetais mais “rejeitados” do cardápio.

Beringelas

Usando histórias, quebra-cabeças, “liga pontos”, operações matemáticas e imagens para colorir, os professores podem usar o material da Escola do Sabor em aulas de qualquer disciplina para aproximar as crianças do processo de produção de alimentos e incentivar a inclusão destes alimentos no cardápio.

produtos escola sabor

Foi com “Berila, a berinjela” que Lucy, personagem de uma das histórias desenvolvidas, aprendeu que a berinjela é rica em minerais e vitaminas, que ajudam o corpo a funcionar direito. Aproveite o material compartilhado pela Engenheira de Alimentos Fabiane Camara e organize sua própria experiência com a Escola do Sabor. Ao final, volte aqui no nosso site para contar pra gente como foi! 

Você no Ideias na Mesa     

Todas as segundas-feiras uma experiência publicada na rede é divulgada aqui no blog! Queremos valorizar ainda mais as experiências de Educação Alimentar e Nutricional que acontecem em todos os lugares do país. Assim como a CEAGESP, você também pode ter a oportunidade de ter sua experiência divulgada aqui no Blog. Cadastre suas experiências de EAN e compartilhe com outros usuários suas vivências, ideias e desafios. Vamos fortalecer e qualificar nossas ações pelo Brasil!

Mais informações: ideiasnamesa@unb.br



postado por Lucas Ferreira em Sexta-feira, 18 de Julho de 2014

Nos últimos dias, a discussão sobre o desperdício de alimentos tem aumentado consideravelmente. E pensando nas toneladas de comida que são descartadas todos os dias (1/3 de todo alimento produzido, segundo a ONU), nenhuma oportunidade para conscientizar as pessoas pode ser deixada de lado. (Veja mais sobre o desperdício na 1ª Revista do Ideias)

Por esse motivo, a União Europeia declarou 2014 o "Ano Europeu contra o Desperdício de Alimentos". Muitas instituições aderiram à causa, divulgando e incentivando projetos que diminuissem as toneladas que são jogadas fora diariamente. 

Por exemplo, essa campanha do mercado francês Intermarché: (vídeo em inglês)


Ou esssa cooperativa portuguesa, da engenheira ambiental Isabel Soares:

Não, você não entendeu errado. Você pode sim contribuir para a redução do desperdício comendo uma fruta feia.

A Idéia é bem simples, e também sensacional: Comprar dos fornecedores as frutas fora do padrão do mercado e distribuí-las aos consumidores por um preço muito menor. Esses vegetais rejeitados tem o mesmo sabor e qualidade nutricional que os "bonitos" que são vendidos todos os dias no mercado.

Além de conscientizar a população sobre o desperdício e distribuir alimento de qualidade, os pequenos produtores não precisam jogar fora parte de sua produção só pra seguir a ditadura da estética. Comprando uma "Fruta Feia", as pessoas evitam que mais comida perfeitamente aceitável tenha como destino final o lixo.

Compartilhe e contribua com essas campanhas sem discriminar os vegetais quando for fazer suas compras. O planeta agradece! 

gente bonita come 3




Go to page:
Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui