Ideias na Mesa - Blog


Posts Relacionados com a(tag):Biodiversidade

postado por Rafael Rioja Arantes em Sexta-feira, 03 de Fevereiro de 2017

No mês de fevereiro o Ideias estará abordando conteúdos relacionados à "Agroecologia e Sustentabilidade", divulgando notícias, compartilhando experiências e atividades nessas temáticas, e para fechar a semana com [Comida na Tela], nós recomendamos o documentário "Mais que Mel".

Uma produção Suíça dirigida por Markus Imhoof e premiada em renomados festivais ao redor do mundo, faz um trabalho investigativo sobre o misterioso e preocupante desaparecimento generalizado de abelhas. Nos últimos 15 anos, um número sem precedentes de colônias de abelhas foram dizimadas ao redor do mundo, mas as causas desse desastre continuam desconhecidas. Dependendo da região, entre 50%-90% das abelhas locais tem desaparecido, e a epidemia ainda está se espalhando de colmeia à colmeia - por todo o planeta.

O título "Mais que Mel" não foi escolhido por acaso, e alerta justamente para as graves consequências que o desaparecimento das abelhas causam. Cientistas criaram um termo para o problema que traduz a severidade dos fatos, "desordem e colapso das colôniaa", e eles tem boas razões para estarem preocupados: 80% das espécies de plantas precisam das abelhas para serem polinizadas. Sem as abelhas, não tem polinização, e frutas e vegetais poderiam desaparecer da face da terra. Apis mellifera (a abelha do mel) apareceu na terra 60 milhões de anos antes dos homens e é indispensável para sobrevivência humana.

Nós devemos culpar os agrotóxicos? Talvez olhar para parasitas como as "varroa mites"? Novos vírus? Estresse provocado pelas viagens? A multiplicação das ondas eletromagnéticas perturbando as nano partículas magnéticas do abdômen das abelhas? Até o momento, parece que a combinação de todos estes agentes tem sido responsáveis pelo enfraquecimento do sistema imune das abelhas.          

Assista ao documentário para descobrir que as abelhas produzem muito mais que mel! 




postado por Ramon da Silva Rodrigues Almeida em Quarta-feira, 16 de Setembro de 2015

O Instituto Sociedade, População e Natureza – ISPN é uma organização não governamental que atua na área socioambiental, com o objetivo de viabilizar o desenvolvimento econômico com maior equidade social e equilíbrio ambiental.

Dessa forma, o ISPN lançou o Guia de elaboração de pequenos projetos socioambientais para organizações de base comunitária, a publicação do [Biblioteca do Ideias] de hoje.

O guia é uma ferramenta de ajuda para as organizações que buscam autonomia na elaboração de seus projetos socioambientais e assim possam viabilizar a melhoria da qualidade de vida de comunidades associadas ao uso sustentável da biodiversidade, como agricultores familiares, comunidades tradicionais e povos indígenas.

No guia é possível encontrar um passo-a-passo para a elaboração de projetos socioambientais e alguns capítulos temáticos que abordam a agroecologia, o desenvolvimento organizacional e comercialização.

 

 

Além disso, este guia é voltado para organizações que acreditam na importância do trabalho coletivo e atuam de forma a agregar a diversidade de pessoas envolvidas, na perspectiva da participação.

Confira o guia na integra aqui na [Biblioteca do Ideias].



postado por Ramon da Silva Rodrigues Almeida em Terça-feira, 26 de Maio de 2015

Você sabia que na última sexta-feira (22) foi comemorado o Dia Internacional da Biodiversidade?

Em meio a tantas polêmicas e questionamentos sobre a aprovação do novo Marco da Biodiversidade no país, a Rede Ideias na Mesa vem hoje lembrar o quão importante a biodiversidade é em nosso dia a dia. 

"Bio" significa vida e "diversidade" é variedade, portanto biodiversidade compreende a totalidade de variedade de formas de vida que pode-se encontrar em nosso Planeta Terra, desde árvores até as bactérias.

 

 

A biodiversidade é elemento fundamental à regulação da natureza, responsável pelo equilíbrio e pela estabilidade dos ecossistemas, além de ser fonte de fomento para grande parte das atividades humanas, como agrícolas, pecuárias, pesqueiras, florestais, etc.

O uso da biodiversidade possui extrema relevância quanto à alimentação e nutrição.  Se existe alimentos e água de qualidade hoje em dia é graças à biodiversidade. O uso sustentável da biodiversidade para a alimentação e a nutrição é uma forma para o aumento da qualidade de vida da população sem degradar o meio ambiente.

 

 

 

O incentivo do consumo de espécies nativas da nossa biodiversidade é um desafio, podendo ser um caminho para a diversidade da alimentação brasileira, assegurando uma alimentação adequada e saudável à população. 

A perda da biodiversidade alimentar desvaloriza a atribuição da comida como patrimônio cultural da alimentação. O alimento tem uma dimensão que vai além dos nutrientes, ele engloba valores, significados e contextos culturais, ou seja, não se resume somente à dimensão biológica.

A globalização produziu a atual homogeneização da alimentação, por isso é importante valorizar os alimentos da biodiversidade brasileira e fortalecer os sistemas alimentares principalmente de povos e comunidades tradicionais, assim como indígenas.

Para promover o tema e o Dia Internacional da Biodiversidade, o Ministério do Desenvolvimento Agrário, o Ministério do Meio Ambiente e o Ministério do Desenvolvimento Social em parceria com a Agência de Cooperação Técnica Alemã (GIZ) lançaram a exposição: Sociobiodiversidade - Povos, Biomas e Riquezas que acontecerá entre os dias 20 de maio até o dia 18 de junho de 2015 no Centro de Visitantes do Jardim Botânico de Brasília-DF.



postado por Ramon da Silva Rodrigues Almeida em Terça-feira, 28 de Abril de 2015

Hoje dia 28 de abril comemora-se o Dia da Caatinga, o bioma que corresponde a 11% do território nacional, abriga grande parte da biodiversidade brasileira é o único bioma exclusivamente brasileiro. 

A biodiversidade da Caatinga é bastante rica e fomenta várias atividades econômicas, como agrosilvopastoris, industriais, de cosméticos e de alimentos que garantem o sustento e a sobrevivência de vários povos, como quilombolas, agricultores familiares, quebradoras de coco babaçu, entre outros.

Em busca de um sistema alimentar sustentável na região da Caatinga e na garantia de uma segurança alimentar e nutricional para os povos tradicionais, principalmente quilombolas, foi lançado o Projeto Semente Crioula, que busca resgatar espécies tradicionais da região, com o enriquecimento do acervo das espécies cultivadas.

Mas você já ouviu falar em licuri? Umbu? Caju? Mangaba? Esses são frutos típicos da Caatinga e são fontes de renda e alimento para milhares de famílias que vivem na região. A  valorização do consumo de produtos locais e típicos é uma forma de promover a segurança alimentar e nutricional de toda a população, além de valorizar a cultura alimentar e práticas alimentares saudáveis e sustentáveis. 

O portal Cerratinga traz várias receitas e dicas culinárias com base em alimentos do bioma, são mais de 130 receitas com as espécies nativas.

Já o canal no youtube da RTV Caatinga Univasf possui alguns vídeos da série “Sabores da Caatinga” onde é mostrada receitas e modos de preparo de vários pratos típicos com alimentos do bioma.

Confira abaixo alguns desses vídeos: 

Viva a Caatinga!



postado por Ideias na Mesa em Terça-feira, 15 de Julho de 2014

No Pensando EAN de hoje, ouvimos Teresa Corção, ecochefe do instituto Maniva. A entidade tem como missão agregar valor ao trabalho dos agricultores familiares brasileiros, favorecendo a manutenção da biodiversidade e a qualidade alimentar da sociedade rural e urbana. 

"Para mim, educação alimentar e nutricional é parte de um processo de reeducação, porque os brasileiros de 50, 60, 100 anos atrás sabiam comer muito bem. A gente comia verduras, legumes, sopa em todo jantar, frutas variadas", diz a ecochefe.

Teresa afirma que  o homem moderno perdeu a cultura alimentar quer herdou dos seus antepassados, e dá um conselho: procurem os livros antigos, procurem os agricultores familiares com suas frutas, que estão bem aí.  O que a gente precisa saber é voltar no tempo e aprender a comer pro futuro, porque tudo o que está fazendo falta hoje, antigamente,  a gente tinha na nossa mesa.

Confira a página do Instituto Maniva:  www.institutomaniva.org



postado por Lucas Ferreira em Quinta-feira, 10 de Julho de 2014


Você já ouviu falar da Arca do Gosto

Este é um dos projetos do Slow Food que cataloga e protege alimentos que estão em risco de desaparecer. O trabalho de divulgar esses produtos colabora com a preservação dos sabores e da biodiversidade de todo o mundo.

Num processo constante de identificação, e análise, mais de 1000 alimentos de dezenas de países já foram incluídos. No Brasil a lista de produtos vai crescendo aos poucos, a medida que a Comissão Nacional da Arca recebe novas indicações.

Confira os últimos produtos brasileiros que entraram na Arca do Gosto:

Bijajica

Bjajica

A Bijajica é um bolo cozido no vapor feito a partir de massa de mandioca crua, amendoim e açúcar, aromatizado com ervas e temperos. A preparação tem origem indígena, mas a receita atual é resultado da influência das famílias que migraram do Arquipélago dos Açores para o litoral do estado de Santa Catarina. Veja mais sobre a Bijajica.

 

 

 


 

Bocaiúva ou Macaúba

Bocaiúva

É uma palmeira cuja altura pode variar de 10 a 15 metros. Produz frutos redondos, que quando maduros apresentam casca fina e quebradiça com a polpa macia e fibrosa. Os frutos podem ser consumidos in natura, na forma de polpa ou de farinha, usadas no preparo de inúmeros pratos. Possui no interior do fruto uma grande amêndoa que também pode ser consumida. Veja mais sobre a Bocaiúva.

  


Butiá

Butiá

É o fruto das palmeiras do gênero Butia nativas da região sul do Brasil. Dos pequenos cocos de coloração amarelo/alaranjada, são utilizadas tanto as amêndoas, para fabricação de pães e biscoitos, como a polpa, de sabor predominantemente ácido, para o preparo de geléias, doces e sucos.Veja mais sobre o Butiá.

 

 

Proteger a biodiversidade brasileira e a produção de alimentos regionais é responsabilidade de todo cidadão. Você também pode participar, indicando produtos nativos que merecem destaque e fazem parte da nossa cultura. Ajude a manter a diversidade culinária brasileira por meio deste projeto.



postado por Luiza Lima Torquato em Terça-feira, 27 de Maio de 2014

O que é a biodiversidade? Qual é a relação da biodiversidade com os alimentos do dia-a -dia? E qual é/pode ser o seu papel neste contexto?

Confira vídeo do Slow Food que apresenta reflexões sobre o tema e iniciativas para preservar a base da vida.
 



*Fonte: http://www.slowfoodbrasil.com/videos/165-videos-em-destaque/691-video-biodiversidade



Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui