Ideias na Mesa - Blog


Posts Relacionados com a(tag):Abelha

postado por Rafael Rioja Arantes em Sexta-feira, 03 de Fevereiro de 2017

No mês de fevereiro o Ideias estará abordando conteúdos relacionados à "Agroecologia e Sustentabilidade", divulgando notícias, compartilhando experiências e atividades nessas temáticas, e para fechar a semana com [Comida na Tela], nós recomendamos o documentário "Mais que Mel".

Uma produção Suíça dirigida por Markus Imhoof e premiada em renomados festivais ao redor do mundo, faz um trabalho investigativo sobre o misterioso e preocupante desaparecimento generalizado de abelhas. Nos últimos 15 anos, um número sem precedentes de colônias de abelhas foram dizimadas ao redor do mundo, mas as causas desse desastre continuam desconhecidas. Dependendo da região, entre 50%-90% das abelhas locais tem desaparecido, e a epidemia ainda está se espalhando de colmeia à colmeia - por todo o planeta.

O título "Mais que Mel" não foi escolhido por acaso, e alerta justamente para as graves consequências que o desaparecimento das abelhas causam. Cientistas criaram um termo para o problema que traduz a severidade dos fatos, "desordem e colapso das colôniaa", e eles tem boas razões para estarem preocupados: 80% das espécies de plantas precisam das abelhas para serem polinizadas. Sem as abelhas, não tem polinização, e frutas e vegetais poderiam desaparecer da face da terra. Apis mellifera (a abelha do mel) apareceu na terra 60 milhões de anos antes dos homens e é indispensável para sobrevivência humana.

Nós devemos culpar os agrotóxicos? Talvez olhar para parasitas como as "varroa mites"? Novos vírus? Estresse provocado pelas viagens? A multiplicação das ondas eletromagnéticas perturbando as nano partículas magnéticas do abdômen das abelhas? Até o momento, parece que a combinação de todos estes agentes tem sido responsáveis pelo enfraquecimento do sistema imune das abelhas.          

Assista ao documentário para descobrir que as abelhas produzem muito mais que mel! 




postado por Isadora Dias Nunes de Sena em Terça-feira, 25 de Outubro de 2016

No dia a dia vários dos alimentos que consumimos passam por um processo de polinização para serem produzidos, a maioria, pelos melhores e mais eficientes agentes polinizadores da natureza, que são responsáveis pela reprodução e perpetuação de milhares de espécies vegetais, produzindo alimentos, conservando o meio ambiente e mantendo o equilíbrio dos ecossistemas: as abelhas. Segundo a FAO, 70% de todas as culturas agrícolas dependem dos polinizadores e estima-se que 1/3 de todos os alimentos que chegam à nossa mesa tenham alguma dependência dos polinizadores para serem gerados.

O que muitas pessoas não sabem, é que esse cenário está em crise, nos últimos anos um problema pauta a apicultura em todo o mundo: o desaparecimento e a morte massiva das abelhas. Um problema de proporções expressivas: só nos EUA mais de 1/3 dos enxames têm sido perdidos todos os anos, e o Brasil e a América Latina começam a se mobilizar frente aos diversos relatos de mortalidade de abelhas, de causas ainda controversas.

Estudos científicos indicam que este fenômeno é sintomático e epidêmico, causado por um distúrbio que mundialmente passou a ser denominado CCD (Colony Collapse Disorder – Síndrome do Colapso das Colônias) ou, simplesmente, Síndrome do Desaparecimento das Abelhas.

Sem as abelhas, tanto a renovação das matas e florestas, como a produção mundial de frutas e grãos ficariam comprometidas. O equilíbrio dos ecossistemas e da biodiversidade sofreria um sério impacto, o que afetaria diretamente o ser humano de diversas maneiras.

Tal contexto é, provavelmente, um dos temas que mais intriga a comunidade científica no mundo, por não haver uma razão única. É certo, entretanto, que as múltiplas causas têm, comprovadamente, grande interdependência entre elas. Agrotóxicos, desmatamento, queimadas, doenças, ácaros, mudanças climáticas, déficit nutricional estão entre as inúmeras causas do desaparecimento ou morte das abelhas.

As estatísticas sobre a atividade apícola no Brasil infelizmente são escassas, e um canal para o registro compartilhado do desaparecimento e morte massiva de abelhas apenas começou a ser feito a partir da iniciativa da campanha “Sem Abelha, Sem Alimento”, a maior iniciativa em proteção às abelhas da América Latina, que tem o objetivo de conscientizar a sociedade para a importância destes polinizadores, e alertá-la para os riscos de seu declínio.  O aplicativo Bee Alert, lançado pela campanha, tinha, até fevereiro de 2015, mais de 100 casos documentados na América Latina (sendo 95% deles no Brasil), com aproximadamente 12 mil colmeias afetadas, e cerca de 700 milhões de abelhas exterminadas e o assunto tem ganhado a atenção da mídia, por se apresentar como um problema que evolui e se expande de forma preocupante.

Veja abaixo uma palestra onde a entomologista especialista no assunto faz alguns esclarecimentos, e acesse aqui o site da campanha Sem Abelha, Sem Alimento.

 



postado por Rafael Rioja Arantes em Quinta-feira, 02 de Julho de 2015

Que as abelhas produzem um delicioso e nutritivo mel não é novidade para ninguém, mas você sabia que sem estes pequenos insetos a formação de várias espécies vegetais estaria comprometida?  

As abelhas tem um papel crucial na polinização das flores, o que significa dizer que elas têm uma relação direta com a produção e diversidade de alimentos. Sem estes insetos, inúmeras plantas que servem de alimentos tanto para nós humanos quanto para outros animais, teria tamanho e formas reduzidas ou até mesmo deixariam de existir.

Em outro momento fizemos uma postagem mostrando os impactos que estavam acontecendo a partir da diminuição do número de abelhas no Brasil, relembre. 

Este animal é extremamente sensível em virtude de seu pequeno porte, logo, alterações na natureza como o uso intensivo de agrotóxicos nas lavouras resultam na eliminação de colônias de abelhas com consequente diminuição da polinização de flores. O prejuízo ambiental principalmente nas populações de abelhas foi identificado pela Autoridade de Segurança Alimentar Europeia (EFSA) através de estudos ao longo de 15 anos. Os resultados foram tão sérios que levou recentemente ao banimento de determinados pesticidas na França.

No Brasil as espécies mais comuns são: Mellifera europeia (comumente conhecidas, amarelas e pretas) com ferrão, e as sem ferrão: Irapuã, Jataí e Mirim.

Reconhecendo a importância deste animal no ecossistema e na produção de alimentos, o [Mais que Ideias] de hoje mostra o projeto de caixas de abelha ecológicas. Idealizado por pai e filho australianos que trabalham há alguns anos com a produção caseira de mel, o desafio era desenvolver um método de produção que agredisse menos as abelhas. As caixas convencionais exigem o manuseio de uma série de etapas que acabam por resultar em estresse e morte de algumas abelhas.

O resultado é apresentado no vídeo abaixo onde eles explicam como o processo funciona. Apesar de o áudio ser em inglês é possível selecionar legendas em português na opção de configuração no canto inferior direito da tela:

A importância destes pequenos seres na nossa vida através da polinização que auxilia na produção de alimentos é bem definida pelos criadores do projeto: “Nós nos desenvolvemos conjuntamente com as colônias de abelhas em uma relação simbiótica. A gente cuida delas e elas polinizam as nossas plantações, e é claro, produzem um delicioso mel”. 

Para quem se interesar o projeto "Bee or not to be?" lançou uma cartilha educativa intitulada Sem Abelha Sem Alimentos, trazendo informações e curiosidades sobre estes pequenos animais.  



postado por Lucas Ferreira em Terça-feira, 29 de Julho de 2014

Enxame de Problemas


O planeta tem muitas formas de nos alertar sobre os efeitos da interferência humana. Muitas vezes sutis, esses sinais nos mostram que algo está errado, e que muita coisa pode piorar.

Nos últimos dias, muitas reportagens e campanhas tem surgido para nos alertar de um fato: As abelhas estão desaparecendo.

E por mais que isso pareça insignificante, as abelhas tem um papel extremamente importante, além da produção de mel. Falando nisso, o Brasil caiu do 5º lugar como maior produtor mundial de Mel para 10º, por causa da morte das abelhas. 

O efeito da diminuição das abelhas é conhecido por especialistas como Desordem de Colapso da Colônia (DCC).

Isso significa simplesmente que Abelhas saem da colméia para coleta de néctar e não retornam mais. A causa mais provável: Pesticidas.

Em uma entrevista ao jornal britânico The Telegraph, o Diretor Técnico de uma grande empresa pesquisadora e protetora de abelhas melíferas, a Vita, já alertou em 2007 que esse era um assunto sério:

"Abelhas são mais importantes que carnes de aves em termos de contribuição para alimentação. A população de uma colmeia pode visitar um milhão de flores em uma área de 400 kilômetros quadrados em somente um dia."

Para o Diretor, a polinização das abelhas é mais responsável pela "produção" de alimentos do que as aves de criação. Ele continua:

"Isso não é um problema isolado. Está acontecendo a alguns anos. Cinco anos atrás, havia um milhão de colmeias e hoje há menos de 800 mil. Se isso continuar, eventualmente não haverá abelhas."

E a polinização que as abelhas fazem é tão significativa que sem elas 73% de todas as plantas com flores do mundo, 90% das plantas silvestres e um terço dos vegetais comestíveis não se reproduzirão.

Sem abelha Sem Alimento

Apesar de na época não haverem muitas pesquisas sobre a causa do desaparecimento, hoje já se discute mundialmente a proibição do uso de alguns pesticidas capazes de matar as abelhas, sendo que a Comissão Europeia já proibiu o uso de três desses.

If we die "Se nós Morrermos, levaremos vocês conosco."

Mas ainda não é o fim para nossas amigas voadoras. Nos últimos anos, muitos projetos tem sido criados para proteger e aumentar a população das abelhas, possibilitando a ajuda da população na preservação. A ONG paulista SOS Resgate de Abelhas sem Ferrão, por exemplo, resgata abelhas a partir de denúncias feitas pelo facebook, para evitar que colmeias sejam destruidas.

E muitas pessoas tem participado criando abelhas sem ferrão no próprio quintal. Não exige muito esforço e não custa caro, além de trazer pra casa uma produção pequena mas constante de mel. Confira nesta cartilha como você pode fazer isso.

Mel de abelhas

Cuidar do equilíbrio das espécies é um modo de preservar a biodiversidade e a cultura alimentar, pois a natureza é o nosso maior e melhor fornecedor.

O cuidado com a preservação é parte de um pensamento sustentável. A conscientização e atitude é responsabilidade de todos. Divulgue, Participe! Salve as Abelhas!


 



Observatório Opsan UNB
facebook
twitter
Layout e programação do site Identidade visual
Faça o ligin para continuar!

clique aqui